• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Pão de Açúcar faz parceria com ONG para lutar no combate à miséria

ONG Amigos do Bem, dedicada a erradicar a pobreza, inova para aumentar doações
 (Getty Images/Priscila Zambotto)
(Getty Images/Priscila Zambotto)
Por Leo BrancoPublicado em 13/05/2021 05:36 | Última atualização em 12/05/2021 21:46Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Nos últimos meses as gôndolas dos supermercados do Grupo Pão de Açúcar (GPA) passaram a vender saquinhos de castanhas da marca Amigos do Bem. Os snacks são uma criação da Qualitá, a marca dos produtos encomendados pelo próprio GPA numa criação conjunta com a ONG paulistana de mesmo nome, aberta em 1993 com o intuito de levar programas de geração de renda a famílias em extrema pobreza no sertão nordestino.

A estratégia das castanhas, beneficiadas por algumas das famílias atendidas pela ONG, é parte de uma tentativa de elevar o volume de recursos destinados ao combate à miséria. Após uma onda de doações motivada pela chegada da pandemia, o volume de recursos no início de 2021 foi menor do que no mesmo período do ano passado. “Precisamos desenvolver uma cultura no Brasil em que o ato de doar seja contínuo, e não só uma resposta às grandes crises”, diz Alcione Albanesi, fundadora da Amigos do Bem.