4 práticas diárias para melhorar sua resiliência e saúde mental

Confira hábitos recomendados por especialista para construir sua força mental e resiliência:
 (Royalty-free/Getty Images)
(Royalty-free/Getty Images)
D
Da RedaçãoPublicado em 13/04/2022 às 06:20.

Saúde mental é um assunto que veio para ficar. Ansiedade, depressão e síndrome de burnout são doenças cada vez mais abordados no ciclo social e profissional, apesar do tabu que ainda gira em torno do tema.

Outra palavra que ganhou popularidade nos últimos anos foi resiliência, termo referente à capacidade de lidar os altos e baixos da vida. Mas o que significa de verdade ser resiliente?

“As pessoas precisam entender que ser resiliente significa que você está experimentando algo com alto nível de estresse, e não devemos funcionar nesse nível por um longo período de tempo”, disse a psicóloga americana Jessica Jackson, especialista em diversidade da Modern Health.

“Quando pensamos em construir resiliência, temos que reconhecer que resiliência nem sempre significa ser difícil – resiliência também pode ser descanso, pode ser vulnerabilidade e processamento de emoções, por isso é mais fácil navegar em uma situação estressante”, completou.

Confira alguns hábitos recomendados pela psicologa você pode adotar para construir sua força mental e resiliência:

1. Autorreflexão

É fácil bloquear emoções e operar no piloto automático até que você esteja à beira do esgotamento. “Pense em um carro: você pode não notar o vazamento de óleo porque ele está sempre em movimento, mas quando ele fica parado por um tempo e você o move, de repente você percebe que há uma poça de óleo embaixo”, diz a psicóloga. “É a mesma coisa com a nossa saúde mental.”

Faça as seguintes perguntas todas as manhãs e anote como você está se sentindo:

  • Como eu me sinto?
  • O que eu preciso hoje?
  • O que eu quero para o meu dia?

Sentar-se em silêncio e pensar nessas perguntas pode ajudá-lo a processar emoções negativas e descobrir quaisquer ajustes que você precisa fazer em sua agenda para evitar o estresse, seja para uma corrida, pedir comida ou outra atividade de autocuidado.

2. Momentos de alegria

Nossos cérebros são programados para procurar o perigo, dando peso às emoções negativas sobre as positivas. O antídoto para esse mau hábito é o que a psicóloga chama de “micro-momentos” de positividade: buscar as pessoas ou coisas que lhe trazem alegria.

“Uma conexão significativa ou uma atividade edificante aumenta nossa resiliência, agindo como um amortecedor entre nós e o estresse que inevitavelmente encontraremos em nossas vidas”, diz ela.

Pense em como você pode incorporar esses momentos na sua rotina: ligar para um amigo ou ouvir sua música favorita, por exemplo. Jackson sugere definir lembretes em seu telefone para essas atividades, para que você não deixe sua “fonte de vitalidade secar”.

3. Menos celular

As redes sociais tem sido associada à ansiedade e depressão em adolescentes e adultos, minando nosso bem-estar e resiliência emocional.

Embora não seja viável sair da internet, a recomendação é avaliar o tempo que você passa na internet e o tipo de conteúdo que você consome. Algo pode ser reduzido ou eliminado?

“Marie Kondo diz que 'Se algo não desperta alegria em algum nível, se faz você se sentir mal, silencie ou limite o tempo que você gasta nisso', acrescentando que devemos apontar passar poucas online fora do trabalho", disse a psicologa.

4. Estabeleça limites

Definir limites é uma habilidade essencial para se tornar resiliente. Com limites, você escolhe o que permite dentro da sua vida.

“Resiliência é muitas vezes confundida com independência, como ‘deixe-me encolher o máximo que puder para apoiar os outros’”, diz Jackson. “Mas a resiliência deve ser mais sobre priorizar suas necessidades.”

“Se você tem planos para jantar com um amigo, por exemplo, mas precisa ficar em casa e descansar, não deve se sentir mal por remarcar – ou se precisar de apoio adicional no trabalho porque seu cérebro está disperso, peça a um gerente ou companheiro de equipe para isso", completou.

Discutir seus limites pode parecer desconfortável no começo, mas gradualmente compartilhar seus sentimentos e dizer “não” sem culpa pode significar que você está priorizando sua saúde mental.

“A vida parece muito estressante para a maioria das pessoas agora”, acrescenta ela. “É importante conhecer seu limite, conhecer seus limites e honrá-los antes de se esgotar.”

Cansaço? Estafa? Burnout? A EXAME te ajuda a resetar sua mente: clique e descubra como