Por que, na BASF, inovação é a palavra-chave

CEO da companhia para a América do Sul fala sobre desafios de gestão em uma empresa que precisa inventar para crescer

São Paulo - Com uma atividade centenária no Brasil, a BASF enxerga a inovação como uma política da qual não pode abrir mão. Não por menos, os investimentos são mantidos mesmo em tempos de crise. No país, esses recursos orbitam na casa de 150 milhões de reais por ano, com foco no desenvolvimento de defensivos agrícolas e tintas. Mas a empresa vê potencial para expandir sua atuação na área de higiene pessoal e químicos para a produção de petróleo.

Em entrevista ao programa "Papo com o presidente", o CEO da empresa para a América do Sul, Alfred Hackenberger, explica como a BASF vem apostando em novos produtos e tecnologias e fala sobre os desafios da companhia no país.

Confira no vídeo a seguir:

[videos-abril id="f48c8f9b321f024d7763f091d2ce788f" showtitle="false"]

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.