Para a Rolls-Royce, 2011 (sim, aquele ano de crise) foi de recordes

Montadora registra as maiores vendas em 107 anos de existência
Ghost: o "modelo de entrada" da Rolls Royce será o primeiro a ser vendido no Brasil (Getty Images)
Ghost: o "modelo de entrada" da Rolls Royce será o primeiro a ser vendido no Brasil (Getty Images)
M
Márcio JuliboniPublicado em 01/07/2012 às 09:50.

São Paulo – Lembra-se de 2011, aquele ano em que o medo de calote de países europeus aprofundou a crise mundial e jogou vários países na recessão? Pois é, a Rolls Royce o atravessou sem nenhum solavanco. Pelo contrário – registrou as maiores vendas de sua história de 107 anos.

A montadora, hoje controlada pela BMW, fechou o ano com 3.538 automóveis vendidos. O resultado significa um crescimento de 31% sobre o ano anterior.

Sim, é verdade que a porcentagem é bem menor que os 150% de expansão que a Rolls Royce obteve em 2010 – mas foi suficiente para bater o recorde anterior da empresa, de 1978, quando vendeu 3.347 carros.

O modelo “básico” da Rolls Royce, o Ghost, foi o principal puxador de vendas. “Mais simples” que um Phantom, por exemplo, o Ghost é oferecido a partir de 165.000 libras (um pouco mais que 470.000 reais). O Phantom, por exemplo, custa o equivalente a 670.000 reais. Sem contar os impostos de importação, claro.

Segundo a Rolls Royce, os destaques ficaram com a Alemanha e a Rússia, onde as vendas praticamente dobraram de um ano para outro. A Ásia e o Pacífico também se destacaram, com um incremento de 47%. No Reino Unido, berço da montadora, as vendas foram 30% maiores e, no Oriente Médio, 23%.

Apesar disso, os Estados Unidos e a China seguem como os principais compradores, embora a Rolls Royce não detalhe o peso desses países em seus resultados.

Para 2012, a empresa aposta na América do Sul. Em outubro do ano passado, a montadora comunicou oficialmente seu plano de abrir uma concessionária no Brasil. O primeiro modelo a ser vendido por aqui será o Ghost.