Negócios

MRS avalia compra do Porto do Sudeste, diz CEO da Vale

Segundo executivo, companhia está avaliando oportunidades relacionadas ao porto da mineradora de Eike Batista


	Porto do Sudeste, da MMX: porto é um dos principais atrativos da mineradora do Grupo EBX
 (Divulgação/MMX)

Porto do Sudeste, da MMX: porto é um dos principais atrativos da mineradora do Grupo EBX (Divulgação/MMX)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de agosto de 2013 às 18h14.

Brasília - A MRS Logística, uma empresa com participação minoritária da Vale, avalia oportunidades relacionadas ao Porto do Sudeste, da MMX, mineradora de Eike Batista, disse nesta quarta-feira o presidente-executivo da Vale, Murilo Ferreira.

"A MRS é nossa subsidiária, onde temos participação minoritária. Tem feito através da própria entidade, de seus próprios acionistas, demonstrado interesse no Porto do Sudeste", afirmou Ferreira em entrevista a jornalistas após reunião com a presidente Dilma Rousseff.

De acordo com informação do site da MRS Logística, a Vale tem participação de pouco mais de 10 por cento na empresa.

A Vale, MBR, CSN, Usiminas e Gerdau integram o grupo de acionistas que controla a MRS, segundo o site da empresa de logística.

Em meio a dificuldades financeiras do grupo EBX, a MMX informou em junho que estava avaliando "oportunidades" que incluem a venda de ações detidas pelo controlador Eike, assim como de seus ativos.

O principal atrativo da mineradora do conglomerado X é o porto.

Várias empresas estão negociando a compra de ativos da MMX, incluindo a CSN, conforme uma fonte disse à Reuters na terça-feira.

Ferreira reafirmou que a Vale não tem interesse em comprar a MMX.. Ele disse também que a MRS não tem interesse em adquirir a MMX.

"Espero que seja última vez que eu digo isso: A Vale não está negociando a MMX. Ponto final", disse Ferreira.

O controlador Eike Batista, porém, prefere vender o porto e a mina, pois as reservas de minério de ferro perdem valor sem a logística necessária para escoá-las, disse recentemente uma fonte que acompanha o grupo EBX.

Mais cedo, em São Paulo, o vice-presidente financeiro da Usiminas, Ronald Seckelmann, disse que não tinha conhecimento sobre uma eventual oferta da MRS pela MMX.

Acompanhe tudo sobre:InfraestruturaLogísticaMRSPortosServiçosSetor de transporteTransportes

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame