• BVSP 121.800,79 pts -3,1%
  • USD R$ 5,2089 +0,0000
  • EUR R$ 6,1881 +0,0000
  • ABEV3 R$ 16,63 -2,92%
  • BBAS3 R$ 31,69 -2,13%
  • BBDC4 R$ 24,26 -1,66%
  • BRFS3 R$ 25,63 -1,69%
  • BRKM3 R$ 58 -2,29%
  • BRML3 R$ 10,12 -3,07%
  • CSAN3 R$ 25,66 -2,99%
  • ELET3 R$ 40,54 -4,14%
  • EMBR3 R$ 18,57 -4,38%
  • Petróleo US$ 71,45 +0,00%
  • Ouro US$ 1.814,50 +0,00%
  • Prata US$ 25,53 +0,00%
  • Platina US$ 1.060,90 +0,00%

Quem são os investidores por trás da corrida espacial dos bilionários

Veja como os veículos de investimento para propósitos específicos, os SPACs, fomentaram a corrida espacial; nesta terça, Jeff Bezos deve voar ao espaço

corrida_espacial_bezos_branson_spac_investidores No domingo passado, dia 11, Richard Branson, da Virgin Galactic, voou até a borda do espaço sideral. Nesta terça, é a vez do fundador da Amazon, Jeff Bezos

No domingo passado, dia 11, Richard Branson, da Virgin Galactic, voou até a borda do espaço sideral. Nesta terça, é a vez do fundador da Amazon, Jeff Bezos (Richard Silvera/Getty Images)

(Por Sarah McBride, da Bloomberg Businessweek)

Durante anos, executivos da Virgin Galactic disseram que um importante passo ao longo do caminho de oferecer voos de turismo ao espaço seria enviar o fundador da empresa, Richard Branson, de 70 anos, em seu próprio voo de teste.

No domingo passado, dia 11, Branson voou até a borda do espaço sideral no avião espacial VSS Unity da Virgin, uma viagem que foi cuidadosamente programada para acontecer menos de duas semanas antes que o fundador da Amazon, Jeff Bezos, fizesse sua própria viagem (a jornada de Bezos está prevista para esta terça-feira, 20).

Branson e Bezos veem seus voos como o início de uma nova etapa nas viagens espaciais comerciais. Mas a Virgin Galactic foi pioneira na indústria espacial de outras maneiras também. Em 2019, a empresa abriu o seu capital por fusão com uma sociedade de aquisição de propósito específico, ou SPAC, cujas ações já eram negociadas em mercados públicos.

Foi um uso precoce de uma ferramenta financeira até então obscura que desde essa época se tornou uma forma popular para empresas de risco acessarem investidores do mercado público antes de serem realisticamente capazes de realizar uma oferta pública inicial tradicional.

Como as SPACs já passaram pelo processo de IPO, as empresas privadas com as quais se fundem não precisam enfrentar o mesmo oneroso processo e suas projeções financeiras não estão sujeitas ao mesmo escrutínio regulatório.

Isso as torna um tentador veículo para empresas espaciais, cujas façanhas que desafiam a gravidade capturam a imaginação do tipo de investidor que pode pensar em uma startup acelerando rumo à estratosfera financeira em tempo recorde.

De acordo com seus patrocinadores, o entusiasmo pelas SPACs está fornecendo recursos para empresas em estágio inicial que impulsionam a inovação em um campo potencialmente transformador. “Quando se é uma startup, se não se consegue ter acesso ao capital, a empresa quebra e queima”, diz Craig McCaw, cuja SPAC, Holicity recentemente se fundiu à empresa de serviços de lançamento de satélites, Astra.

Mas a tendência da SPAC espacial é arriscada tanto para investidores quanto para a indústria, diz Meagan Crawford, cofundadora e sócia-gerente da Space Fund, empresa de capital de risco que possui participações na SpaceX e outras.

“Há muito entusiasmo em relação ao espaço. É legal e as pessoas querem investir em coisas legais ”, diz ela. Mas ela adverte que muitas das empresas que atualmente buscam por classificados são muito arriscadas para investidores comuns e não representam "o que de melhor o espaço tem a oferecer".

Os ganhos trimestrais convidam empresas que não têm perspectiva de ganhar dinheiro podem ser bizarros. A cada três meses desde a abertura do capital, os executivos da Virgin repetem alguma versão do texto "como não houve voos no trimestre, não geramos nenhuma receita". Nos trimestres em que houve voos de teste, eles lembram aos investidores que esses tipos de voos não geram receita.

A Virgin agora diz que vai começar a gerar receita no serviço comercial de passageiros no próximo ano, com 13 anos de atraso, até mesmo para os padrões das empresas de foguetes.

Quando a Astra realizou seu último teste de lançamento de foguete em dezembro, os resultados foram contraditórios, pois a nave alcançou o espaço, mas não conseguiu entrar em órbita. No entanto, a empresa que anunciou em fevereiro que estava se fundindo com a SPAC da McCaw, diz que pode iniciar os lançamentos comerciais este ano e projeta receita de US$ 4 milhões para 2021.

Outras empresas espaciais continuam a fazer projeções otimistas que nem sempre podem cumprir. Por exemplo, o provedor de transporte espacial Momentus, que dá um toque extraterrestre aos chavões da indústria de tecnologia terrestre para oferecer serviços como "entrega de última milha no espaço", "lançamento de compartilhamento de transporte" e "satélite como serviço".

Em outubro, anunciou que se fundiria com a SPAC Stable Road Acquisition em uma transação avaliada em US$ 1,2 bilhão e previu uma receita de US$ 19 milhões para 2021.

Projeção de receita: US$ 0

Mas, em maio, a Administração Federal de Aviação negou um importante aplicativo que a Momentus precisava para lançar veículos como parte de uma missão da SpaceX no mês seguinte, dizendo que sua estrutura corporativa aumentava as preocupações com a segurança nacional.

A Stable Road resolveu o problema fazendo com que os cofundadores da Momentus, que são russos, abrissem mão de suas participações. O revés forçou a empresa a revisar sua projeção de receita para US$ 0 e a do próximo ano para apenas US$ 5 milhões.

Sem números de receita para avaliar, investidores precisam procurar informações sobre o desempenho dessas empresas em outro lugar, mas isso pode ser difícil de encontrar.

A AST SpaceMobile, por exemplo, planeja vender serviço de internet banda larga via satélite para smartphones e diz que não terá nenhuma receita até 2023.

Em seu site, alerta os investidores que aprenderão pouco sobre a tecnologia em si, dizendo que é “altamente patenteada, e por esta razão, a forma como funciona não pode ser divulgada”.

Parece que os investidores estão ficando cautelosos. O último negócio da Momentus envolveu o corte do valor da startup em mais da metade, e as ações da Astra caíram mais de 10% desde que anunciou sua fusão.

Isso é ruim para alguns investidores que compraram antes porque era moda. Mais importante, diz Crawford, é o risco para a reputação do setor em geral. “Se essas empresas quebrarem, isso vai virar os mercados contra a indústria espacial em geral”, diz ela, falando sobre o setor como um todo, ao invés de startups específicas. “Isso afetará a capacidade das boas empresas de abrirem capital.”

A Virgin parece pensar que o voo de Branson mostra que é possível manter os investidores animados sem ganhar dinheiro. Depois que pousou, a empresa entrou com um pedido de venda de até US$ 500 milhões em ações.

Mas o preço das ações da Virgin caiu imediatamente após a divulgação da venda, o que serviu como um lembrete de que a empresa ainda precisa gastar antes de começar a fazer dinheiro.

Quais são os maiores desafios da ciência em 2021? Entenda assinando a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.