Negócios

Funcionários decidirão se desocupam fábrica em Campinas

Também faz parte do acordo que a Polícia Militar não cumpra a ordem de reintegração de posse contra os trabalhadores neste período


	Mabe: a ação foi tomada após o não pagamento dos salários e direitos trabalhistas, com a decretação de falência da Mabe
 (Divulgação/Facebook oficial)

Mabe: a ação foi tomada após o não pagamento dos salários e direitos trabalhistas, com a decretação de falência da Mabe (Divulgação/Facebook oficial)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de abril de 2016 às 17h31.

Os funcionários da Mabe Brasil Eletrodomésticos Ltda vão decidir nesta semana se mantém ocupada a fábrica em Campinas, no interior de São Paulo.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e região, o prazo foi acordado em audiência judicial, na última sexta-feira (8). Também faz parte do acordo que a Polícia Militar não cumpra a ordem de reintegração de posse contra os trabalhadores neste período.

Os funcionários já foram retirados pela polícia da unidade da empresa em Hortolândia, que foi ocupada junto com a fábrica de Campinas, em fevereiro.

A ação foi tomada após o não pagamento dos salários e direitos trabalhistas, com a decretação de falência da Mabe.

Os trabalhadores que ocupam a fábrica propuseram retomar a produção a partir do pagamento de um dos salários atrasados. O retorno obtido seria revertido para quitar os débitos com os empregados.

De acordo com o sindicato, essa proposta foi rejeitada pelos administradores da massa falida.

Ficou acertado que o sindicato levará para assembleia a proposta de formação de uma comissão de funcionários para fiscalizar os trabalhos da massa falida.

Porém, para que o processo de falência tenha prosseguimento, a administradora alega a necessidade de desocupação da fábrica, onde estão, inclusive, máquinas que devem ser leiloadas para pagamento das dívidas da Mabe.

Acompanhe tudo sobre:Campinascidades-brasileirasFábricasMabe

Mais de Negócios

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Como um adolescente de 17 anos transformou um empréstimo de US$ 1 mil em uma franquia bilionária

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Mais na Exame