Foxconn muda sua visão sobre o Brasil?

Wall Street Journal questiona o quanto a empresa de Terry Gou gosta do país

São Paulo – Outrora um crítico do Brasil, Terry Gou, que criou e comanda a Foxconn (Hon Hai,) parece, pelo que diz a presidente Dilma Roussef, um grande fã do país como base de produção industrial. Durante visita à China, a presidente anunciou que a empresa estuda investimentos de 12 bilhões de dólares no Brasil. O jornal The Wall Street Journal questiona o quanto Gou gosta do país.

A empresa foi pega desprevenida, segundo o jornal. Entre as evidências disso, está a demora, de quase um dia, para anunciar um comunicado de 160 palavras que fala sobre o potencial do Brasil, sua localização estratégica e, vagamente, sobre outras oportunidades aqui. O comunicado não foi nenhuma surpresa, já que o Brasil é um grande mercado e a Foxconn já possui uma fábrica aqui. A novidade foi o interesse do empresário no país.

No ano passado, em entrevista ao Wall Street Journal, Gou ridicularizou a possibilidade de o Brasil competir com a China em produção industrial. O empresário havia dito que os brasileiros param de trabalhar ao ouvir falar de futebol, e que, apesar dos excelentes recursos naturais, era mais rápido e barato enviar produtos da China para os EUA. O empresário também reclamou da mão de obra de outros países. Para Gou, as fábricas no Brasil, índia e na Rússia são boas para o consumo interno e a China, nos próximos 20 anos, não terá concorrentes a altura em produção industrial.

Além disso, mesmo para uma companhia como a Hon Hai, que obteve uma receita estimada em 100 bilhões de dólares no ano passado, 12 bilhões de dólares é bastante dinheiro. O investimento no Brasil visa a construção de uma fábrica de displays digitais utilizados em tablets, celulares, TVs e laptops, no que seria um dos maiores projetos já desenvolvidos por uma companhia estrangeira no País.
 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.