Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Entenda a (con)fusão entre Oi e Portugal Telecom

As duas empresas estão em processo de união, mas dívidas do banco Espírito Santo podem atrapalhar o negócio

São Paulo – Ao fim do dia desta terça-feira, o banco português Espírito Santo deveria ter pago uma dívida de 847 milhões de euros para a conterrânea Portugal Telecom.

A probabilidade de isso ocorrer já é próxima de zero, o que abre mais um capítulo na longa novela entre a companhia telefônica portuguesa e a Oi, que estão em processo de fusão desde outubro de 2013.

Em abril deste ano, a Portugal Telecom comprou 897 milhões de euros em papéis de dívida do Banco Espírito Santo, com a promessa de que receberia a maior parte do montante (847 milhões de euros) hoje. Fez isso sem que seus sócios da parte brasileira soubessem, o que desagradou a todos.

Assim que souberam do repasse, acionistas minoritários da Oi imediatamente questionaram o empréstimo gigantesco feito pela Portugal Telecom. Os executivos portugueses negam que sabiam da crise da empresa irmã, mas investidores brasileiros já pedem a investigação contra má fé.

O banco, o maior privado de Portugal, já afirmou que não teria condições de cumprir com seu compromisso e que conseguiria arrecadar, no máximo, 300 milhões de dólares com a venda de ativos. A instituição possui capital de 2,8 bilhões de euros, 1,5 bilhão de euros em dívidas e passa hoje por uma reestruturação.

Sócio do sócio do sócio

O Espírito Santo pertence à Rio Forte, empresa comandada pela família que dá nome ao banco e que tem, entre seus principais negócios, a rede hoteleira Tivoli e empreendimentos imobiliários de luxo em São Paulo. Coincidentemente, a Rio Forte também é dona de 10% da Portugal Telecom.

Já a Portugal Telecom assumiu o controle da CorpCo, a nova empresa que tem entre seus maiores sócios ela, a Oi e o BNDES, em outubro de 2013. Ela injetou 7 bilhões de euros na companhia brasileira e, por conta do investimento, é dona de 38,1% da empresa, enquanto a Oi fica com 13,1%.

Neste momento, representantes do Banco Espírito Santo, da Portugal Telecom e da Oi reúnem-se para encontrar uma solução que garanta o pagamento da dívida.

Um possível calote, além de esvaziar os cofres da Oi, causaria uma enorme crise de confiança para o Banco Espírito Santo. Todos tentam evitar uma fuga de capitais, principalmente do banco, que viu suas ações caírem 20% só no dia de hoje. As ações da Oi já acumulam queda de 20% no mês.

Caso a dívida não seja paga, Oi e BNDES estudam alterar os termos da fusão entre a companhia e a Portugal Telecom, diminuindo sua participação na nova empresa. Um cancelamento do negócio, porém, foi descartado por ambas as partes. Até o momento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também