Elon Musk entra em nova polêmica: afinal, o caminhão elétrico é viável?

O bilionário provocou Bill Gates em publicação no Twitter sobre a expansão de veículos pesados zero emissões
Cybertruck, da Tesla: modelos maiores serão viáveis em larga escala? (Tesla/Divulgação)
Cybertruck, da Tesla: modelos maiores serão viáveis em larga escala? (Tesla/Divulgação)
Por Juliana EstigarribiaPublicado em 14/09/2020 15:55 | Última atualização em 14/09/2020 17:08Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O bilionário e fundador da Tesla, Elon Musk, entrou em mais uma polêmica ao insinuar, pelo Twitter, que Bill Gates não entende de caminhões elétricos. Mas afinal, esse tipo de veículo é realmente viável?

Em agosto, Gates afirmou em seu blog que veículos elétricos de maior porte podem “não ser tão viáveis quanto o setor imagina porque as baterias são grandes e pesadas”. 

“Mesmo com grandes mudanças em relação à tecnologia das baterias, veículos elétricos provavelmente nunca serão uma solução prática para caminhões com semirreboque, navio cargueiros e jatos de passageiros”, disse o fundador da Microsoft. “A eletricidade funciona para cobrir distâncias curtas, mas precisamos de uma solução diferente para veículos pesados.”

Perguntado no último final de semana sobre a publicação, Musk rebateu a afirmação de Gates. “Ele não tem ideia do que está falando”, disse o dono da Tesla.

A aposta no segmento de caminhões elétricos já é uma realidade. A Daimler, dona da Mercedes-Benz e líder global no setor de veículos pesados, criou há alguns anos uma divisão só de produtos elétricos e está com projetos avançados. Um deles, um caminhão com peso bruto total de 26 toneladas, já está sendo testado desde 2016.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus está investindo 110 milhões de reais para produzir o primeiro caminhão 100% elétrico em série do mercado brasileiro em sua fábrica de Resende, no Rio de Janeiro, a partir do ano que vem. Embora o modelo faça parte das categorias de entrada, ainda assim tem um porte muito maior do que carros de passeio.

Para Roberto Cortes, presidente da montadora, o modelo elétrico é ideal para entregas urbanas, pois ele pode rodar o dia todo nos grandes centros e seu conjunto de baterias pode “passar a noite” carregando para voltar à ativa no dia seguinte. A montadora já fechou contrato com a Ambev para entrega, até 2023, de 1.600 caminhões elétricos.

O executivo lembra que os veículos elétricos são uma modalidade sustentável para enfrentar desafios na melhora contínua da mobilidade, especialmente nos grandes centros: além da preocupação com o meio ambiente e melhoria da qualidade do ar, existe uma grande preocupação com o excesso de ruídos e fluxo intenso de veículos.

"Com zero emissões e um baixíssimo nível de ruído, vemos a possibilidade de distribuir as entregas em horários alternativos, minimizando o impacto sonoro e reduzindo as entregas nos horários de pico para períodos mais calmos do dia ou até mesmo a noite."

Ele destaca que, com a evolução das tecnologias de baterias e de carregadores (superchargers), os custos totais de operação tendem a cair e se tornar competitivos em outras aplicações que não sejam as urbanas.

"Na Volkswagen Caminhões e Ônibus, desenvolvemos uma solução de engenharia exclusiva que nos permite adaptar e flexibilizar sua construção, além de permitir criar distintos arranjos e combinar diferentes módulos para derivar do veículo base novos modelos elétricos, de acordo com a necessidade do cliente", garante.

A Traton, dona da Volks Caminhões e Ônibus, estima que nos próximos 10 a 15 anos um terço dos veículos pesados do grupo tenha sistema de direção alternativo, sendo boa parte equipada com motores elétricos. Até 2025, o investimento deve ser de 1 bilhão de euros em pesquisa e desenvolvimento para mobilidade elétrica.

A novata Nikola Motor, do Arizona, nos Estados Unidos, está investindo para se tornar o grande nome do mercado de caminhões elétricos. A montadora já fechou contrato com a gigante de bebidas AB InBev e tem uma carteira de 14.000 unidades a ser entregues. 

Em entrevista recente à EXAME, o fundador da Nikola disse que o futuro da indústria automotiva será feito de parcerias e que grandes montadoras estão se unindo para viabilizar os caminhões elétricos. Prova disso é que a General Motors anunciou na semana passada a compra de 11% da Nikola e parceria para desenvolvimento de baterias para veículos pesados.

Investimentos não faltam e protótipos nas ruas também não. Executivos ouvidos pela EXAME relatam que, sem dúvidas, o peso da bateria é a principal barreira para expansão dos caminhões elétricos, mas que as montadoras estão trabalhando para superar esse grande obstáculo.

Enquanto isso, frotas de veículos pesados de menor porte já rodam em escala minimamente comercial ao redor do mundo — como vans, por exemplo. Soluções híbridas de células de hidrogênio e gás natural liquefeito (GNL) em caminhões pesados têm sido a tônica dos salões de veículos comerciais ao redor do mundo pelo menos nos últimos três anos.

O veículo elétrico já é uma realidade nas categorias de passeio, mas em caminhões pesados e extrapesados ainda há barreiras para sua expansão. Resta às montadoras provar, no futuro próximo, que Bill Gates estava realmente errado em sua afirmação.