Eletrobras vai à Justiça contra greve de funcionários

A estatal encerrou as negociações com sindicatos após ter uma proposta rejeitada em assembleias de empregados

São Paulo - A estatal Eletrobras encerrou as negociações com sindicatos após ter uma proposta rejeitada em assembleias de empregados, que têm deliberado pela instauração de greve na holding e em subsidiárias em meio a pedidos de reajuste salarial.

Nesta terça-feira, uma assembleia aprovou paralisação na subsidiária Chesf, que atua no Nordeste, segundo a assessoria da empresa; antes, colaboradores de Furnas e Cepel já haviam aprovado greves.

"A Eletrobras informa que, em virtude da rejeição da proposta final da empresa nas assembleias... irá tomar as medidas judiciais cabíveis, tendo em vista que se encerraram as negociações", afirmou a holding estatal em nota à Reuters.

A companhia disse que "entende o pleito dos seus colaboradores e, dentro de suas limitações financeiras, buscou a melhor proposta possível para atendê-los". De acordo com a Eletrobras, apenas funcionários da subsidiária Eletronuclear aceitaram a proposta até o momento.

Durante as negociações, a Eletrobras pediu em diversas ocasiões que os trabalhadores "refletissem" sobre a situação da companhia, que acumula prejuízos de mais de 30 bilhões de reais desde 2012.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.