Dias antes da COP26, Suzano antecipa meta de remover toneladas de CO2

A Suzano anunciou a antecipação da meta de remover 40 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera, de 2030 para 2025; presidente da companhia defende regulação do mercado de carbono
 (Leandro Fonseca/Exame)
(Leandro Fonseca/Exame)
M
Marina Filippe

Publicado em 21/10/2021 às 12:44.

Última atualização em 05/11/2021 às 13:08.

A produtora de papel e celulose Suzano anunciou nesta quinta-feira, 21, a antecipação da meta de remover 40 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera, de 2030 para 2025.

Acompanhe em primeira mão todas as notícias sobre a COP26

"Estamos reforçando nosso programa verde de descarbonização, em busca da contenção do aquecimento global. Não é possível esperarmos até 2050 para agirmos, é preciso fazer algo agora", disse Walter Schalka, presidente da Suzano em evento para jornalistas.

Segundo a companhia, esta é uma oportunidade de trabalhar com a ampliação de cobertura vegetal por meio de plantios comerciais e de áreas destinadas à conservação.

Para o executivo, a Suzano também pode inspirar outras empresas a anteciparem as suas metas, bem como incentivar uma mudança que envolve a sociedade e civil e governos.

Emissões de carbono

A pauta da emissões de carbono é um um dos temas centrais da Conferência das Partes, a COP26, que ocorrerá em Glasgow na Escócia na primeira quinzena de novembro. Isto se dá por meio do Artigo 6 do Acordo de Paris, que trata da criação de um mercado global de carbono e busca a regulamentação do proposto em 2015.

"O programa verde, de descarbonização do globo, tem grande potencial de gerar empregos, projetos nesta frente, oportunidades para empresas e para o meio ambiente. Assim, a Suzano defende o mercado regulatório", diz Schalka.