Bradesco está otimista quanto à retomada da economia em 2016

Banco acredita que a aprovação do ajuste fiscal possibilitará ao governo a abertura de concessões e quer participar das operações como financiador de recursos

São Paulo - O Bradesco está otimista quanto à retomada do crescimento econômico do país ao longo do próximo ano. A empresa aposta que a aprovação do ajuste fiscal, em votação no Senado, permita ao governo abrir concessões na área de infraestrutura, o que trará oportunidades para o setor bancário.

"Acho que esse rearranjo da política fiscal vai dar abertura para concessões e nós entramos nesse contexto. Os bancos vão poder participar desse financiamento, da estruturação das operações", disse Josué Augusto Pancini, vice-diretor do Bradesco.

O executivo falou a EXAME.com durante o evento Encontros EXAME, realizado nesta terça-feira em São Paulo. Para ele, a visita do premiê chinês, Li Keqiang, ao país é um indicativo de que o cenário pode melhorar.

"Na visão de quem tem recursos para investir, o Brasil possui grandes oportunidades. E acho que o governo começa a olhar as concessões, dando uma visão mais ampla para quem quer apostar no país, porque tem muita coisa para ser feita".

De acordo com Pancini, a aprovação dos ajustes fiscais vai mudar o humor tanto dos empresários quanto das pessoas físicas, o que deve trazer resultados melhores para alguns setores já no segundo semestre.

"O Brasil está fazendo mudanças importantes para poder sedimentar o crescimento para os próximos anos. Você já vê o empresário e as pessoas mudando o humor em relação ao que fazer. Isso faz com que o sistema passe a rodar um pouco melhor", afirmou.

"No segundo semestre pode haver até uma melhora no crescimento de alguns setores. Mas a mudança em relação ao crescimento do PIB é para 2016. Vai haver uma retomada", completou.

Investimentos

Questionado sobre uma possível aquisição do HSBC, Pancini disse que a oportunidade merece atenção.

"Não existe um posicionamento firme ainda, mas não tenha dúvida de que é um ativo importante. Estamos como todo mundo, olhando, sempre avaliando as possibilidades que existem no mercado".

Ele também enfatizou que o banco continuará crescendo organicamente. No mês passado, a empresa anunciou um investimento de 1,2 bilhão de reais para a construção e reformas de agências. Serão 185 novas unidades abertas este ano.

O Bradesco também está reforçando as apostas em tecnologia para melhorar o acesso dos clientes a seus serviços, mas não fala em valores destinados para isso.

Recursos estão sendo alocados na modernização de equipamentos como máquinas que reciclam automaticamente o dinheiro depositado nelas e um leitor de cheques que possibilita depósitos pelo celular, por exemplo.

O banco também está instalando wifi nas agências e colocou assentos para acabar com as filas em pé em 2.750 unidades, durante o ano passado. "Isso muda a forma de se relacionar com o cliente", disse Pancini.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.