Negócios

Boeing se declara culpada no caso dos acidentes do avião 737 Max

Empresa será colocada em liberdade condicional e deverá ser supervisionada por um tribunal do Texas

Imagens de uma aeronave da Boeing modelo 737Max (Boeing/Divulgação)

Imagens de uma aeronave da Boeing modelo 737Max (Boeing/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 8 de julho de 2024 às 06h39.

Última atualização em 8 de julho de 2024 às 06h42.

A Boeing concordou, nesse domingo, 7, em se declarar culpada de acusação criminal por dois acidentes fatais do 737 Max, em 2018 e 2019, nos quais morreram 346 pessoas. Segundo o jornal The New York Times, a empresa será colocada em liberdade condicional e deverá ser supervisionada pelo Tribunal Federal do Texas.

Boeing terá de escolher entre se declarar culpada ou ir a julgamento após acidentes com 737 Max

No acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, descrito em parte no processo judicial, a Boeing também concordou em pagar uma multa de US$ 487,2 milhões - o máximo permitido por lei - e investir pelo menos US$ 455 milhões nos próximos três anos para fortalecer seus programas de conformidade e segurança.

Como parte da liberdade condicional, o Departamento de Justiça nomeará um monitor de conformidade independente que garantirá que as medidas de segurança estejam em vigor e sejam seguidas, enviando relatórios anuais ao governo. A empresa enfrentará penalidades adicionais se qualquer um dos termos for violado. O conselho de administração da empresa também será obrigado a se reunir com as famílias das vítimas do acidente.

A Boeing não é condenada por um crime federal há décadas. No documento, o Departamento de Justiça descreveu a acusação de conspiração para fraudar o governo federal como "o delito mais grave e facilmente provável".

Acompanhe tudo sobre:Boeingacidentes-de-aviaoAviação

Mais de Negócios

Como um adolescente de 17 anos transformou um empréstimo de US$ 1 mil em uma franquia bilionária

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Di Santinni compra marca gaúcha de calçados por R$ 36 milhões

Mais na Exame