Mundo

Trump ironiza Greta Thunberg e diz que nomeação da Time é "ridícula"

Greta foi anunciada na quarta como ganhadora do prêmio anual da revista por seu trabalho; Donald Trump já havia ironizado a ativista

Trump e Greta: presidente ironiza ativista novamente (Montagem/Getty Images/Bloomberg)

Trump e Greta: presidente ironiza ativista novamente (Montagem/Getty Images/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 12 de dezembro de 2019 às 10h38.

Última atualização em 12 de dezembro de 2019 às 11h58.

Washington — O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a criticar a ativista do clima Greta Thunberg, de 16 anos, dizendo nesta quinta-feira (12), que é "ridículo" que a jovem sueca tenha sido nomeada Personalidade do Ano da Time em 2019.

Greta foi anunciada na quarta-feira como ganhadora do prêmio anual da revista por seu trabalho inspirando milhões de jovens a agir contra as mudanças climáticas.

"Tão ridículo. Greta precisa trabalhar em seu problema de controle da raiva, depois ir a um bom filme antigo com um amigo! Calma Greta, calma!", escreveu de Trump, de 73 anos, no Twitter, ao comentar tuíte de outra pessoa parabenizando Greta.

Essa não foi a primeira vez que o presidente norte-americano criticou Greta.

Em setembro, Trump retuitou um vídeo de um discurso da adolescente durante uma cúpula do clima da ONU, no qual Greta denunciou com raiva os líderes mundiais por não terem enfrentado as mudanças climáticas: "Como vocês se atrevem?", disse ela.

Trump comentou sarcasticamente: "Ela parece uma jovem muito feliz, ansiosa por um futuro brilhante e maravilhoso. Muito bom de ver!".

Greta também foi alvo de crítica esta semana do presidente Jair Bolsonaro, que a chamou de "pirralha". Em resposta, a jovem resolveu adotar a mesma palavra na descrição de seu perfil no Twitter.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpGreta ThunbergTwitter

Mais de Mundo

China e Rússia organizam exercícios militares conjuntos após cúpula da Otan

Queda de aeronave russa na região de Moscou mata os três tripulantes a bordo

Ucrânia insiste em necessidade de poder lançar ataques “sistemáticos” ao território russo

Primeiro-ministro do Nepal perde moção de censura no Parlamento e terá que renunciar

Mais na Exame