FRANÇA x DINAMARCA:

Acompanhe lance a lance a partida da Copa do MundoVeja agora.

Trabalhadores de porto comercial do Reino Unido preparam greve de 8 dias

A paralisação deve ocorrer no porto de Felixstowe, na costa leste da Inglaterra e que movimenta cerca de 4 milhões contêineres por ano
A greve ocorre ainda no momento em que pessoas pelo Reino Unido enfrentam problemas em viagens pelo terceiro dia nesta semana (Joe Giddens/Getty Images)
A greve ocorre ainda no momento em que pessoas pelo Reino Unido enfrentam problemas em viagens pelo terceiro dia nesta semana (Joe Giddens/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 20/08/2022 às 18:45.

Quase 2 mil trabalhadores de um dos maiores portos comerciais do Reino Unido lançam neste domingo uma greve de oito dias por causa de uma disputa salarial, na mais recente notícia que envolve o setor industrial a atingir a economia do país.

A paralisação deve ocorrer no porto de Felixstowe, na costa leste da Inglaterra e que movimenta cerca de 4 milhões contêineres por ano - quase a metade do total do país -, de 2 mil navios. Com isso, embarcações podem ser desviadas para outros portos do Reino Unido ou de outras nações da Europa.

A greve ocorre ainda no momento em que pessoas pelo Reino Unido enfrentam problemas em viagens pelo terceiro dia nesta semana, neste sábado, com milhares de trabalhadores do setor ferroviário em greve por melhores salários e mais segurança em seus postos, em quadro de elevada inflação, sobretudo em alimentos e energia.

Apenas cerca de 20% dos trens do país devem realizar suas rotas neste sábado, com algumas áreas sem serviço algum. Os problemas no transporte ferroviário devem continuar no domingo, com mais greves previstas segundo líderes sindicais.

Na sexta-feira, a maior parte das linhas do metrô de Londres não operou, devido a uma outra greve. Trabalhadores do serviço postal, advogados, pessoal da British Telecom e lixeiros já anunciaram paralisações para este mês no Reino Unido.

Veja também: 

EUA anuncia nova ajuda militar para a Ucrânia

Pesquisa aponta amplo favoritismo de Liz Truss para suceder Boris Johnson em Downing Street