Mundo

No México, alguns tomam precauções com o furacão Beryl, enquanto outros aproveitam a praia

Alerta de tempestade tropical estava em vigor na manhã deste domingo, 7, para a costa nordeste do país, de acordo com o Centro Nacional de Furacões

O furacão Beryl se dirigindo ao México em 4 de julho de 2024 (AFP/AFP)

O furacão Beryl se dirigindo ao México em 4 de julho de 2024 (AFP/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 17h06.

Moradores do estado de Tamaulipas, no norte do México, do outro lado da fronteira com o Texas, suspiraram aliviados neste fim de semana ao saberem que o furacão Beryl só traria chuvas moderadas a pesadas em alguns locais. A tempestade era originalmente esperada para atingir o México duas vezes. Ainda assim, as autoridades não queriam correr riscos. De acordo com o Centro Nacional de Furacões, um alerta de tempestade tropical estava em vigor na manhã deste domingo para a costa nordeste do México.

"Embora a trajetória agora possa indicar que está mais focada no lado do Texas, nos EUA, pedimos para não sermos descuidados e não baixarmos a guarda", disse Héctor Joel Villegas González, secretário do governo do Estado, em uma entrevista coletiva neste sábado. "Fenômenos naturais não têm palavra de honra".

No início da semana, autoridades em Tamaulipas montaram abrigos temporários, monitoraram represas, identificaram áreas vulneráveis ​​a deslizamentos de terra e tomaram medidas para evitar possíveis inundações e bloqueios de estradas — como limpar a drenagem e podar árvores.

Algumas pessoas estavam seguindo o conselho das autoridades. René Aguirre Garza, que coordena um bairro residencial em Matamoros que já foi afetado por inundações, disse que alguns de seus vizinhos estavam colocando sacos de areia ao redor de suas casas e limpando suas ruas.

Outros estavam mais despreocupados. Apesar de as autoridades alertarem os moradores para não visitarem praias populares de frente para o Golfo do México, alguns banhistas aproveitaram o sol e as ondas.

No sábado, turistas, vendedores e pescadores passeavam pela Praia de Bagdá, no município de Matamoros, despreocupados com a tempestade que se aproximava. Algumas autoridades estavam pedindo para as pessoas irem para casa, mas os moradores responderam que nada aconteceria, pois Beryl já estava se movendo para o norte.

"Veremos o que acontece", disse Francisco Gabriel Ponce Lara, um coordenador de resgate da Cruz Vermelha de Matamoros. "Até onde eu sei, só teremos cerca de oito polegadas de chuva".

Seca histórica e brutal

Assim como não era segredo que Beryl traria uma chuva necessária ao Texas, as autoridades em Tamaulipas também esperavam que a tempestade e a temporada de furacões ajudassem a acabar — pelo menos temporariamente — com uma seca histórica e brutal no estado.

Em maio, antes da tempestade tropical Alberto encharcar a costa nordeste do México, cerca de 97,7% de Tamaulipas estava sofrendo com algum grau de seca, de acordo com o serviço meteorológico do país. Em seu último relatório, divulgado na sexta-feira, a agência disse que esse número caiu para 16,3%.

"A água para o nosso estado tem sido uma bênção porque as represas estão vazias" disse Villegas González aos repórteres no sábado, acrescentando que um sistema de lagoas que fornece água a milhares de moradores locais “se recuperou”.

Acompanhe tudo sobre:Desastres naturaisCaribe

Mais de Mundo

Fotos de ataque a Trump são usadas para vender bíblias e camisetas na Convenção Republicana

Biden é diagnosticado com Covid-19, diz Casa Branca

Aliança de esquerda anuncia candidato para presidir a câmara baixa do Parlamento francês

Eleições EUA: Biden diz que consideraria desistir de eleição se 'alguma condição médica' o obrigasse

Mais na Exame