Mundo
Acompanhe:

EUA, Japão e Coreia do Sul: Teste nuclear da Coreia do Norte teria resposta 'sem precedentes'

Os três países concordaram em "reforçar a dissuasão na região visando a desnuclearização da Coreia do Norte", acrescentou

Durante uma reunião em Tóquio, os vice-ministros das Relações Exteriores dos três países também prometeram reforçar as capacidades de dissuasão na região (AFP/Reprodução)

Durante uma reunião em Tóquio, os vice-ministros das Relações Exteriores dos três países também prometeram reforçar as capacidades de dissuasão na região (AFP/Reprodução)

A
AFP

26 de outubro de 2022, 08h57

Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul advertiram nesta quarta-feira (26) que um teste nuclear norte-coreano provocaria "uma resposta forte sem precedentes" e se comprometeram a manter a unidade diante dos vários testes de armas de Pyongyang.

Durante uma reunião em Tóquio, os vice-ministros das Relações Exteriores dos três países também prometeram reforçar as capacidades de dissuasão na região.

"Nós concordamos em fortalecer ainda mais a cooperação... para que a Coreia do Norte interrompa imediatamente suas atividades ilegais e retornar às negociações de desnuclearização", disse o sul-coreano Cho Hyun-dong.

"Os três países concordaram com a necessidade de uma resposta forte sem precedentes se a Coreia do Norte executar seu sétimo teste nuclear", completou.

Coreia do Sul e Estados Unidos alertaram diversas vezes que Pyongyang está prestes a executar um teste nuclear, o primeiro desde 2017.

O isolado país comunista efetuou desde o início do ano um número recorde de testes armamentistas e este mês anunciou ter executado exercícios nucleares táticos.

"Todo este comportamento é imprudente e profundamente desestabilizador", afirmou a vice-secretária de Estado americana Wendy Sherman, antes de pedir à Coreia do Norte para "abster-se de novas provocações".

O vice-ministro japonês, Takeo Mori, declarou que "a intensificação das atividades nucleares e de mísseis da Coreia do Norte (...) constitui um desafio claro e grave para a comunidade internacional".

Os três países concordaram em "reforçar a dissuasão na região visando a desnuclearização da Coreia do Norte", acrescentou.

LEIA TAMBEM: