Governo e rebeldes assinam trégua no Sudão do Sul

Representantes dos dois lados estavam reunidos há semanas em Adis-Abeba, na Etiópia

Adis-Abeba, Etiópia - Representantes do governo e dos rebeldes do Sudão do Sul assinaram nesta quinta-feira um acordo de cessar-fogo com o objetivo de encerrar o conflito no país mais jovem do mundo, que já dura mais de um mês.

Representantes dos dois lados estavam reunidos há semanas em Adis-Abeba, na Etiópia. A trégua assinada hoje, que deve pelo menos deter por um tempo as hostilidades, foi o primeiro avanço real das negociações.

Uma equipe técnica foi estabelecida para acompanhar a implementação do acordo de cessar-fogo.

Os confrontos entre unidades rivais do exército tiveram início na capital, Juba, em 15 de dezembro. O presidente Salva Kiir acusou o ex-vice-presidente Riek Machar de tentar aplicar um golpe.

O conflito rapidamente se transformou numa guerra entre o Exército regular, que é apoiado por tropas de Uganda, e desertores e uma milícia étnica, o que também colocou a tribo dinka, da qual Kiir faz parte, contra a etnia nuer, de Machar.

Estima-se que a onda de violência tenha deixado um saldo de pelo menos 10 mil mortos e forçado meio milhão de pessoas a deixarem suas casas.

José Barahona, diretor da organização não-governamental (ONG) Oxfam no Sudão do Sul, Dosse que o acordo "dá uma segunda chance ao país mais jovem do mundo". Fonte: Associated Press.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.