Mundo

"Spiderman francês" é preso enquanto escalava arranha-céus em Seul

Alain Robert tentava uma nova façanha com o intuito de celebrar a melhoria das relações entre as duas Coreias

Detenção: ao chegar ao andar 75 do edifício mais alto do país, o escalador foi levado ao terraço por um trabalhador de manutenção (Yonhap/Reuters)

Detenção: ao chegar ao andar 75 do edifício mais alto do país, o escalador foi levado ao terraço por um trabalhador de manutenção (Yonhap/Reuters)

E

EFE

Publicado em 6 de junho de 2018 às 09h21.

Última atualização em 6 de junho de 2018 às 09h56.

Seul- O escalador de edifícios Alain Robert, conhecido internacionalmente como "Spiderman francês", foi detido nesta quarta-feira em Seul por tentar uma nova façanha com a qual tentava celebrar a melhoria das relações entre as duas Coreias.

Robert, de 55 anos, foi detido no terraço do andar 124 da torre Lotte World Tour em torno das 11h35 local (23h35, em Brasília) acusado de escalar o edifício sem o consentimento do proprietário, Lotte Property and Development, recolheu a agência local "Yonhap".

O homem foi interceptado após duas horas de escalada ao chegar ao andar 75 do edifício mais alto do país e o quinto do mundo, desde onde foi levado ao terraço por um trabalhador de manutenção.

O escalador, conhecido por empreender suas façanhas com a ajuda única de suas mãos e habitualmente sem autorização, "não usava o equipamento de segurança adequado" e as autoridades sul-coreanas disseram que decidirão como abordar o caso após "investigar os seus motivos".

Robert ganhou fama em 2011 após escalar o edifício mais alto do mundo, o Burj Khalifa de Dubai (Emirados Árabes Unidos).

Ao longo de sua trajetória, escalou mais de cem edifícios e monumentos de todo o mundo, entre eles a Ponte Golden Gate de São Francisco, o edifício Empire State de Nova York, a Torre Sears de Chicago (os três nos Estados Unidos), Ópera de Sydney (Austrália) e Torre Agbar de Barcelona (Espanha).

O "Spiderman francês" foi detido mais de 100 vezes e nem sua vertigem crônica e nem a incapacidade (66%) resultante de várias quedas sérias sofridas durante os seus périplos conseguiram diminuir o seu gosto pelas alturas.

Acompanhe tudo sobre:Coreia do NorteCoreia do SulSeul

Mais de Mundo

Republicanos exigem renúncia de Biden, e democratas celebram legado

Apesar de Kamala ter melhor desempenho que Biden, pesquisas mostram vantagem de Trump após ataque

A estratégia dos republicanos para lidar com a saída de Biden

Se eleita, Kamala será primeira mulher a presidir os EUA

Mais na Exame