• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,48 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,74 1.38
  • AERI3 R$ 4,36 16.27
  • AESB3 R$ 10,75 1.03
  • AGRO3 R$ 31,85 -0.66
  • ALPA4 R$ 21,67 -0.60
  • ALSO3 R$ 19,95 1.32
  • ALUP11 R$ 26,22 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,39 7.17
  • AMBP3 R$ 29,33 -1.41
  • AMER3 R$ 23,65 2.60
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,57 3.53
  • ARZZ3 R$ 82,77 0.34
  • ASAI3 R$ 15,43 -0.32
  • AZUL4 R$ 21,20 2.51
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,48 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,74 1.38
  • AERI3 R$ 4,36 16.27
  • AESB3 R$ 10,75 1.03
  • AGRO3 R$ 31,85 -0.66
  • ALPA4 R$ 21,67 -0.60
  • ALSO3 R$ 19,95 1.32
  • ALUP11 R$ 26,22 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,39 7.17
  • AMBP3 R$ 29,33 -1.41
  • AMER3 R$ 23,65 2.60
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,57 3.53
  • ARZZ3 R$ 82,77 0.34
  • ASAI3 R$ 15,43 -0.32
  • AZUL4 R$ 21,20 2.51
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Rússia acusa EUA e Otan de transformar Ucrânia em "barril de pólvora"

EUA e Otan apoiam a Ucrânia, que é palco de um conflito com separatistas pró-russos e que acusa Moscou de reunir tropas em suas fronteiras
Apoio da Otan e dos EUA aumenta tensão entre Ucrânia e Rússia (Getty Images/Olena Khudiakova / Ukrinform / Barcroft Media)
Apoio da Otan e dos EUA aumenta tensão entre Ucrânia e Rússia (Getty Images/Olena Khudiakova / Ukrinform / Barcroft Media)
Por AFPPublicado em 13/04/2021 09:05 | Última atualização em 13/04/2021 09:05Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A diplomacia russa afirmou nesta terça-feira (13) que a Otan e os Estados Unidos estão transformando a Ucrânia em um "barril de pólvora" ao apoiar este país, palco de um conflito com separatistas pró-russos e que acusa Moscou de reunir tropas em suas fronteiras.

"O volume da ajuda (militar) aumenta. Os Estados Unidos e outros países da OTAN transformam a Ucrânia, de maneira consciente, em um barril de pólvora", acusou o vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Riabkov, citado por agências de notícias russas.

Estas declarações foram divulgadas no momento em que o chanceler ucraniano, Dmytro Kuleba, reunia-se na sede da Otan, em Bruxelas, com o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg.

Reação da Otan

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, exortou a Rússia, nesta terça-feira, a interrompera o acúmulo de tropas na fronteira com a Ucrânia e pôr um ponto final às "provocações" com seu apoio a grupos separatistas pró-russos no país.

"A Rússia deve cessar seu acúmulo de tropas dentro e ao redor da Ucrânia, abandonar as provocações e iniciar uma desaceleração imediata", disse Stoltenberg em entrevista coletiva com o chanceler ucraniano, Dmytro Kuleba.

"Nas últimas semanas, a Rússia deslocou milhares de tropas prontas para o combate para a fronteira com a Ucrânia, no maior acúmulo de tropas russas desde a anexação ilegal da Crimeia em 2014", disse Stoltenberg.

"Mantemos nosso apelo para que ponha um ponto final a seu apoio aos militantes no leste da Ucrânia", insistiu.

A Rússia "deve respeitar seus compromissos internacionais (...) Não reconhecemos e não vamos reconhecer a ilegal e ilegítima anexação da Crimeia por parte da Rússia", disse Stoltenberg.

O ministro Kuleba disse, por sua vez, que a Rússia "continua a acumular tropas ao longo da fronteira, nos nossos territórios ocupados e nos mares".

De acordo com o chefe da diplomacia ucraniana, a Rússia "acumula tropas no norte da Ucrânia; na Crimeia, no sul; e em Dombass, no leste".

Além disso, "intensificou drasticamente sua propaganda beligerante, que desumaniza os ucranianos e incita o ódio em relação à Ucrânia", denunciou Kuleba.

Ao ser questionado, o chanceler ucraniano afirmou que "nenhuma possibilidade pode ser excluída" neste cenário.

A Ucrânia diz temer que a Rússia busque um pretexto para atacá-la e a acusa de reunir mais de 80.000 soldados perto de sua fronteira ao leste e na Crimeia.

Segundo a Ucrânia, os separatistas pró-russos contam com 28.000 combatentes e mais de 2.000 conselheiros e instrutores militares russos no território, que controlam desde 2014 no leste do país.