“Quebrado”, Trump já pensa no que fazer quando deixar a Casa Branca

Embora não admita em público sua derrota na eleição, o presidente americano estuda como ganhar dinheiro para pagar dívida de mais de 400 milhões de dólares

Depois de um contundente revés judicial na Pensilvânia, o presidente Donald Trump enfrenta pressão cada vez maior de seus pares republicanos para desistir de sua tentativa de melar a eleição presidencial dos Estados Unidos e reconhecer sua derrota para o democrata Joe Biden. Se ainda não dá o braço a torcer, ao menos em público, Trump — que tem uma dívida estimada em mais de 400 milhões de dólares — já vem estudando como ganhar dinheiro depois que deixar a Casa Branca, segundo a imprensa americana.

• O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Desde que Biden foi declarado vencedor das eleições, há duas semanas, Trump lançou uma enxurrada de ações judiciais e montou uma campanha de pressão para impedir que os estados certificassem seus votos totais. Até agora, as tentativas de impedir a certificação falharam nos tribunais da Geórgia, Michigan e Arizona. No sábado, Matthew Brann, um juiz federal republicano nomeado pelo ex-presidente Barack Obama, rejeitou um esforço semelhante na Pensilvânia, declarando que o caso equivalia a “argumentos jurídicos tensos sem mérito e acusações especulativas”.

Para que Trump tenha alguma esperança de permanecer na Casa Branca, ele precisa eliminar a vantagem de 81.000 votos de Biden na Pensilvânia. O estado deve começar a certificar seus resultados na segunda-feira. Os advogados de Trump prometeram um recurso rápido, mas o tempo está correndo. Alguns dos companheiros republicanos de Trump no Congresso já jogaram a toalha. O senador republicano Pat Toomey disse que a decisão na Pensilvânia acaba com qualquer chance de  Trump e pediu ao presidente que ele reconheça a derrota na eleição.

Biden obteve 6 milhões de votos a mais que Trump na eleição de 3 de novembro e venceu por 306 a 232 no Colégio Eleitoral. Nos últimos dias, o candidato democrata passou o tempo se preparando para assumir o cargo, embora a administração de Trump tenha se recusado a fornecer autorizações necessárias para que o candidato democrata possa fazer o seu juramento no dia 20 de janeiro. Os críticos dizem que a recusa de Trump em ceder tem sérias implicações para a segurança nacional e a luta contra o coronavírus, que já matou cerca de 255.000 americanos. No sábado, o país rompeu a marca de 12 milhões de casos confirmados de covid-19.

Para permanecer no cargo, Trump precisaria de alguma forma derrubar os resultados eleitorais em pelo menos três grandes estados — um feito sem precedentes na história dos Estados Unidos. Uma recontagem na Geórgia apenas confirmou a vitória de Biden lá, e as autoridades confirmaram o resultado na sexta-feira. A campanha de Trump disse no final do sábado que solicitaria outra recontagem. Em Wisconsin, as autoridades eleitorais criticaram os voluntários de Trump por retardar uma recontagem parcial que não deve anular a vitória de Biden.

Com recontagens e ações judiciais ficando curtas, Trump agora está pressionando as legislaturas estaduais lideradas pelos republicanos para rejeitar o total de votos e declará-lo o vencedor. “Esperamos que os tribunais e ou legislaturas tenham … a Coragem de fazer o que for necessário para manter a integridade de nossas eleições e dos próprios Estados Unidos”, escreveu ele no Twitter após a decisão da Pensilvânia. As acusações de Trump continuaram a inflamar sua base republicana radical. Metade dos republicanos acredita que a eleição foi roubada de Trump, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos, e apoiadores realizaram manifestações em todo o país para protestar contra o resultado.

Pensando no futuro

Se publicamente Trump continua tentando inflamar seus apoiadores, em conversa privada com assessores ele parece ter reconhecido que deixará o cargo em janeiro e já está planejando seus próximos movimentos, segundo uma reportagem do jornal The Washington Post. Fontes disseram ao jornal que depois de deixar o cargo, Trump “quer permanecer uma força onipresente na política e na mídia”.

Entre as ideais apontadas pelo presidente está a disputa pela presidência em 2024, configurando uma possível revanche com Biden. Mas, com dívidas de até 400 milhões de dólares (algumas das quais vencerão nos próximos dois anos), e provavelmente contas judiciais substanciais, ganhar dinheiro também estaria entre as principais preocupações atuais de Trump. Sua principal fonte de renda nos últimos anos (seu trabalho na TV) secou, e a maior parte da dívida está lastreada em imóveis, cujos valores diminuíram bastante este ano em consequência da pandemia da covid-19.

“Trump também tem explorado maneiras de ganhar dinheiro com relativamente pouco trabalho, como fazer discursos pagos para grupos corporativos ou vender ingressos para comícios”, diz a reportagem do Post. “Além disso, ele pode tentar escrever um livro de memórias de ajuste de contas de seu tempo como presidente e aparecer na televisão, a título de remuneração ou não.”

Trump também teria comentado com seus assessores sobre o seu desejo de vingança, particularmente contra a Fox News, a rede de tendência conservadora cuja cobertura de sua administração tem sido amplamente bajuladora. Há sinais, porém, de que a Fox News está começando a se distanciar de Trump, e o presidente estaria se sentindo traído.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.