Putin ordena envio de tropas russas à Crimeia

Em um comunicado, o líder russo afirmou que a situação no país vizinho e ex-membro da União Soviética (URSS) é "extraordinária"

Kiev - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou neste sábado (1) o envio de tropas militares para a região da Crimeia, que desde a queda do governo ucraniano, na semana passada, enfrenta tensões e protestos.

Em um comunicado, o líder russo afirmou que a situação no país vizinho e ex-membro da União Soviética (URSS) é "extraordinária" e coloca em risco a vida de cidadãos russos que vivem na Crimeia. Embora tenha maioria étnica russa, a Crimeira é uma região autônoma pertencente à Ucrânia. Putin pediu autorização ao Senado russo para o envio de militares. O pedido foi aceito neste sábado pelos parlamentares.

Por sua vez, o presidente interino ucraiano, Oleksandr Turchinov, criticou as ações da Rússia e definiu como "ilegal" a eleição de Sergei Aksionov ao cargo primeiro-ministro da Crimeira. Aksionov foi nomeado premier no último dia 27 pelo Parlamento da Crimeia, que destituiu o governo anterior e convocou um referendo para ampliar a autonomia da região. A votação ocorrerá em 25 de maio.

Ontem, o governo interino da Ucrânia também acusou Moscou de estar realizando uma "invasão armada" na Crimeia, com a ocupação de aeroportos e violação de espaço aéreo.

A tensão na Crimeia começou após a queda do governo de Viktor Yanukovich, no dia 21 de fevereiro. O ex-mandatário, que era próximo do governo russo, recusou um acordo de associação com a União Europeia (UE), ato de despertou protestos em todo o país.

EUA- O Parlamento russo também pediu neste sábado que o governo convoque o embaixador russo nos Estados Unidos para prestar explicações pelo discurso que o presidente Barack Obama fez ontem. Em um pronunciamento, Obama disse que seu governo está "profundamente preocupado" com a situação da Ucrânia.

Segundo ele, a intervenção russa na Crimeia é "uma grave violação dos direitos internacional e da soberania ucraniana".

União Europeia - Um Conselho de Ministros das Relações Exteriores extraordinário da UE pode ser convocado para a próxima segunda-feira para discutir a crise na Ucrânia, segundo fontes europeias.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.