Putin diz a Macron que Rússia pode aumentar exigências sobre Ucrânia

Em um comunicado após os dois presidentes falarem por telefone, o Kremlin deixou claro que seus objetivos incluem a desmilitarização e a neutralidade da Ucrânia
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
Por ReutersPublicado em 03/03/2022 11:31 | Última atualização em 03/03/2022 11:42Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron, nesta quinta-feira que a Rússia alcançará os objetivos de sua intervenção militar na Ucrânia aconteça o que acontecer, disse o Kremlin.

Em um comunicado após os dois presidentes falarem por telefone, o Kremlin deixou claro que seus objetivos incluem a desmilitarização e a neutralidade da Ucrânia.

Qualquer tentativa de Kiev de atrasar as negociações entre autoridades russas e ucranianas resultaria em Moscou acrescentar mais itens a uma lista de exigências que já havia estabelecido, disse o Kremlin.

"Vladimir Putin delineou em detalhes as abordagens e condições fundamentais no contexto das negociações com representantes de Kiev. Foi confirmado que, antes de tudo, estamos falando da desmilitarização e do status neutro da Ucrânia, de modo que uma ameaça à Federação Russa jamais emanará de seu território", disse o Kremlin no comunicado.

"Foi enfatizado que as tarefas da operação militar especial serão cumpridas em qualquer caso, e as tentativas de ganhar tempo arrastando as negociações só levarão a exigências adicionais a Kiev em nossa posição de negociação."

O comunicado disse ainda que a "operação especial" da Rússia na Ucrânia estava indo "de acordo com o planejado". Acrescentou que relato de que forças russas estavam bombardeando Kiev eram parte de uma "campanha de desinformação anti-Rússia", e que as forças russas estavam fazendo tudo o que podiam para proteger os civis.

A Rússia chama suas ações na Ucrânia de "operação especial" que diz não ter sido projetada para ocupar território, mas para destruir as capacidades militares de seu vizinho do sul e capturar o que ela considera como perigosos nacionalistas.

Macron diz a Putin: "você está mentindo a si mesmo", diz autoridade francesa

Em resposta ao seu colega russo, O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que ele estava cometendo um "grande erro" na Ucrânia, que ele estava se iludindo sobre o governo em Kiev e que a guerra custaria caro à Rússia no longo prazo, disse uma autoridade francesa. 

"Não havia nada no que o presidente Putin disse que pudesse nos tranquilizar", disse o assessor presidencial francês, acrescentando que Putin havia reiterado sua "narrativa" de que estava buscando a "desnazificação da Ucrânia".

"'Você está mentindo para si mesmo'", disse Macron a Putin, segundo o assessor. "'Vai custar caro ao seu país, seu país vai acabar isolado, enfraquecido e sob sanções por muito tempo'", acrescentou Macron a Putin, de acordo com o relato.

VEJA TAMBÉM:

Guerra na Ucrânia: bares trocam nome do ‘Moscow Mule’ e jogam vodka fora

Rússia toma Kherson e amplia ataques contra civis em Kiev e Kharkiv

Rússia não tem como usar cripto para driblar sanções, dizem especialistas

Por que Putin já perdeu essa guerra, segundo Yuval Harari

Presidenciáveis cobram posição do governo em defesa da Ucrânia

Brasil decide evacuar embaixada na Ucrânia