• AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,08 1.95
  • ABCB4 R$ 16,86 1.02
  • ABEV3 R$ 13,94 -0.57
  • AERI3 R$ 3,79 4.12
  • AESB3 R$ 10,85 1.40
  • AGRO3 R$ 30,97 0.75
  • ALPA4 R$ 20,69 1.12
  • ALSO3 R$ 19,42 2.16
  • ALUP11 R$ 27,28 1.79
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,13 3.59
  • AMER3 R$ 23,96 2.09
  • AMZO34 R$ 64,28 -3.54
  • ANIM3 R$ 5,64 3.49
  • ARZZ3 R$ 79,77 -1.95
  • ASAI3 R$ 15,76 -1.25
  • AZUL4 R$ 21,60 2.37
  • B3SA3 R$ 12,06 0.17
  • BBAS3 R$ 38,43 3.86
  • AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,08 1.95
  • ABCB4 R$ 16,86 1.02
  • ABEV3 R$ 13,94 -0.57
  • AERI3 R$ 3,79 4.12
  • AESB3 R$ 10,85 1.40
  • AGRO3 R$ 30,97 0.75
  • ALPA4 R$ 20,69 1.12
  • ALSO3 R$ 19,42 2.16
  • ALUP11 R$ 27,28 1.79
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,13 3.59
  • AMER3 R$ 23,96 2.09
  • AMZO34 R$ 64,28 -3.54
  • ANIM3 R$ 5,64 3.49
  • ARZZ3 R$ 79,77 -1.95
  • ASAI3 R$ 15,76 -1.25
  • AZUL4 R$ 21,60 2.37
  • B3SA3 R$ 12,06 0.17
  • BBAS3 R$ 38,43 3.86
Abra sua conta no BTG

Primeiro ministro da Etiópia ganha Nobel da Paz 2019

Segundo a organização, Abiy Ahmed Ali foi premiado por ter conseguido um acordo de paz com a Eritreia
Ali: prêmio foi celebrado pelo gabinete do governante (Getty Images/picture alliance / Colaborador)
Ali: prêmio foi celebrado pelo gabinete do governante (Getty Images/picture alliance / Colaborador)
Por Tamires VitorioPublicado em 11/10/2019 06:09 | Última atualização em 11/10/2019 08:17Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo --- Apesar da maioria das apostas estar em Greta Thunberg e Raoni, nesta sexta-feira (11), o prêmio Nobel da Paz foi para o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali.

Ali foi premiado por ter conseguido um acordo de paz com a Eritreia em 2018, país que faz fronteira com a Etiópia.

Formado em engenharia, o premiê chegou ao poder também no ano passado. Aos 43 anos, Ali é o chefe de governo mais jovem da África.

"Ele passou seus primeiros cem dias como primeiro-ministro levantando o estado de emergência do país, garantindo anistia para milhares de prisioneiros políticos, descontinuando a censura da mídia, legalizando partidos de oposição, exonerando líderes militares e civis que estavam sob suspeita de corrupção e também por aumentar significavelmente a influência de mulheres na política e na comunidade etíope. Ele também quer fortalecer a democracia ao propor eleições livres e justas", diz o comunicado do Nobel.

 

 

Abiy, nascido em uma família muito pobre, foi considerado um visionário e um reformista com a capacidade de injetar otimismo nesta região do mundo castigada pela pobreza e a corrupção.

Em outro momento do texto, o comitê afirma que quer "expressar um reconhecimento a todos os atores que trabalham pela paz e a reconciliação na Etiópia e nas regiões do leste e nordeste africanos".

No comunicado, também é destacado o trabalho do presidente da Eritreia, Issaias Afworki.

"A paz não é alcançada apenas com as ações de uma única pessoa. Quando o primeiro-ministro Abiy estendeu a mão, o presidente Afwerki aceitou e ajudou a dar forma ao processo de paz entre os dois países", afirmou o Comitê.

O entusiasmo com o acordo com a Eritreia, no entanto, pode dar lugar à frustração. A fronteira entre os dois países está fechada novamente, a assinatura de acordos comerciais está suspensa e a Etiópia ainda não tem acesso aos portos das Eritreia. Analistas afirmam que o caminho para a paz duradoura será longo.

O prêmio de Ali foi celebrado em um comunicado do gabinete do governante.

"Este reconhecimento é um testemunho eterno dos ideais do Medemer ("permanecer juntos" ou "sinergia", em amárico) de união, cooperação e coexistência mútua que o primeiro-ministro permanentemente liderou", diz a nota.

A entrega oficial do prêmio de 9 milhões de coroas suecas (cerca de 3,76 milhões de reais) acontecerá em 10 de dezembro, dia que o fundador do prêmio, Alfred Nobel, morreu.

O prêmio significará um impulso para o governante, que enfrenta uma onda crescente de violência entre diferentes grupos em seu país, onde estão previstas eleições legislativas em maio de 2020.

O anúncio do vencedor foi feito nesta manhã em Oslo, capital da Noruega, o único fora da Suécia, por desejo do próprio Nobel, já que a Noruega fazia parte do Reino da Suécia na época

Neste ano, mais de 300 personalidades e organizações estavam na lista de candidatos para o Nobel da Paz.

Em 2018, o Comitê deu o prêmio ao ginecologista Denis Mukwege (República Democrática do Congo) e a yazidi Nadia Murad, por sua luta contra a violência sexual.

*Com informações da EFE e da AFP