Presidente argentino diz que vai processar criminalmente responsáveis por dívidas

Sobre inflação, afirmou que "os salários devem crescer e os preços se estabilizarem"

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou nesta segunda-feira, 1º, que "aqueles que geraram as dívidas do país devem deixar de circular impunes", e que autorizou o início de processos criminais contra os responsáveis "pela maior administração fraudulenta que nossas memórias recordam". Em discurso na abertura dos trabalhos do Congresso, Fernández se dirigiu à gestão anterior, de Maurício Macri, e seu acerto junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com o Âmbito Financeiro, o FMI apontou que eventuais investigações não interferem nas negociações com a atual administração.

A política vai seguir dando o tom na bolsa? Vai. E você pode aproveitar as oportunidades. Assine gratuitamente a EXAME Research

Outro ponto abordado pelo presidente foram das tarifas de serviços, como água e luz, que devem ser "razoáveis e justas", e "vinculadas à renda das pessoas". Fernández irá enviar um projeto ao Congresso para desdolarizar o preço dos serviços, os vinculando ao peso argentino, "que é como as pessoas recebem", afirmou.

"Queremos que tais custos fixos representem menos no poder aquisitivo de cada uma das famílias", avaliou, indicando que o "pesadelo de saber se vai se alimentar ou pagar pelos serviços públicos chegou ao seu fim".

Sobre inflação, afirmou que "os salários devem crescer e os preços se estabilizarem". Segundo o presidente, conversas sobre controle de preços foram iniciadas com o setor empresarial, o que vai auxiliar no "processo de desinflação".

"É essencial coordenar esforços para que os salários ganhem da inflação", concluiu. Um dos aspectos que o Fernández propôs ao Congresso foi a eliminação de impostos que incidem em salários de 1,2 milhão de trabalhadores.

Sobre a pandemia de covid-19, afirmou que o país vem avançando nos planos de vacinação, e que as "regras devem ser seguidas". Em relação ao escândalo conhecido por vacinações VIP, que envolveu a imunização de pessoas não prioritárias próximas ao governo, afirmou ter "tomado as decisões que me correspondiam, ainda que tenham me causado dor". O episódio levou manifestantes às ruas do país no último sábado, e fez com que o ex-ministro da Saúde Ginés González García abandonasse o cargo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.