Polônia aumentará gastos com defesa em meio à invasão na Ucrânia

O ataque de Moscou à Ucrânia abalou a Polônia, membro da Otan, onde as memórias da dominação soviética após a Segunda Guerra Mundial são profundas
 (Reuters/Agencja Wyborcza.pl)
(Reuters/Agencja Wyborcza.pl)
Por ReutersPublicado em 03/03/2022 15:18 | Última atualização em 03/03/2022 15:35Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Polônia aumentará os gastos com suas Forças Armadas mais do que o planejado, disse o governo nesta quinta-feira, enquanto uma invasão russa da vizinha Ucrânia concentra a atenção nas capacidades de defesa de Varsóvia.

O ataque de Moscou à Ucrânia abalou a Polônia, membro da Otan, onde as memórias da dominação soviética após a Segunda Guerra Mundial são profundas.

AO VIVO: Rússia e Ucrânia se reúnem hoje e tentam cessar-fogo decisivo; acompanhe as últimas notícias da guerra na Ucrânia nesta quinta-feira

"Haverá uma emenda [ao plano de defesa]: 3% do PIB em defesa no próximo ano, então vamos aumentá-lo", disse Jaroslaw Kaczynski, líder do partido nacionalista Lei e Justiça (PiS), à câmara baixa do Parlamento.

A Polônia manteve seus gastos anuais com defesa em 2% do PIB nos últimos anos, em linha com seu compromisso com a Otan.

A "Lei de Defesa da Pátria", um projeto de lei anunciado pela primeira vez em outubro e que o Parlamento estava debatendo na quinta-feira, inicialmente planejava um aumento nos gastos para 2,5% a partir de 2024.

O ministro da Defesa, Mariusz Blaszczak, disse que o projeto de lei aumentará o número de soldados no Exército polonês para 300 mil como parte de um plano de cinco anos. A Polônia tem atualmente cerca de 143,5 mil soldados.

"Haverá uma estrutura para ter um dos Exércitos mais fortes da Otan", afirmou Blaszczak. "Nossa pátria precisa de um Exército polonês assim, especialmente agora, quando o império do mal está tentando renascer em nossa fronteira oriental."

VEJA TAMBÉM: