O mundo perdeu a chance de voltar melhor da covid, diz relatório da ONU

Novo relatório das Nações Unidas aponta ainda que as metas prometidas pelos países são suficientes para reduzir as emissões somente em 7,5% até 2030, o que é insuficiente
Maciço de Kebnekaise, ao norte da Suécia: promessas de zerar emissões feitas até agora por países e empresas são insuficientes (AFP/AFP)
Maciço de Kebnekaise, ao norte da Suécia: promessas de zerar emissões feitas até agora por países e empresas são insuficientes (AFP/AFP)
C
Carolina RiveiraPublicado em 26/10/2021 às 13:26.

A pandemia do novo coronavírus, além da tragédia que tirou a vida de quase 5 milhões de pessoas, mudou profundamente a forma de consumir e viver no mundo. Para a economia, essa revolução poderia ter sido também uma oportunidade para combater as mudanças climáticas de forma mais efetiva. Não é o que vem acontecendo, aponta relatório das Nações Unidas (ONU).

Confira uma seleção exclusiva de empresas sustentáveis para investir e tenha acesso gratuito a relatórios do tema.

O documento divulgado nesta terça-feira, 26, traz um alerta de que, pelos compromissos firmados até agora pelos governos, a redução nas emissões de carbono até 2030 será de somente 7,5%.

Para evitar que a temperatura suba 1,5 grau Celsius, seria preciso um corte muito maior, de 45%.

A ONU afirma que o mundo perdeu a oportunidade de "voltar melhor" da pandemia. Ainda que as emissões tenham caído 5,4% no ano passado devido às quarentenas globais, segundo o relatório, só um quinto dos estrondosos gastos voltados à recuperação econômica foram usados para cortar emissões. 

"Os países estão jogando fora uma oportunidade massiva de investir os recursos fiscais e de recuperação da covid-19 de maneiras sustentáveis, com bom custo benefício e capazes de salvar o planeta", disse António Guterres, secretário-geral da ONU.

O relatório é divulgado dias antes da COP26, Conferência do Clima que acontecerá em Glasgow, na Escócia, a partir deste domingo.

A meta de evitar o aumento da temperatura em 1,5 grau será buscada na conferência, mas o alerta da ONU deixa claro que o mundo está longe de chegar lá se metas mais ambiciosas não forem definidas.

Mais de 100 países e uma série de grandes empresas já prometeram zerar as emissões de carbono até metade desde século, por volta de 2050. Mas mesmo esse compromisso não será suficiente, alerta a ONU. Além disso, a organização aponta que muitas das metas de países e empresas para zerar emissões ainda são "vagas", sem um plano real para serem atingidas.

“A mudança climática não é mais um problema futuro. É um problema de agora", disse Inger Andersen, diretor executivo do Programa Ambiental da ONU (Unep), segundo reportado pelo jornal britânico The Guardian.

"Para termos uma chance de limitar o aquecimento global a 1,5 grau, temos oito anos para reduzir quase pela metade as emissões de gases de efeito estufa: oito anos para fazer os planos, colocar em prática as políticas, implementá-las e, por fim, entregar os cortes. O relógio está batendo alto", disse.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e acesse as notícias mais importantes do Brasil em tempo real.