A página inicial está de cara nova Experimentar close button

As italianas que traem a máfia, uma escolha de vida ou morte

Elas são mulheres, filhas ou mães de mafiosos que, cansadas de conviver com a criminalidade, decidiram colaborar com a Justiça mesmo que isso custe a própria vida

Roma - Elas vivem na sombra da máfia italiana, transformadas, às vezes sem escolhas, em cúmplices do crime organizado; são companheiras sentimentais, filhas e mães de mafiosos que, cansadas de conviver com a criminalidade, decidiram colaborar com a Justiça mesmo que isso custe sua vida.

Para Lea Garofalo, a 'rebeldia' lhe custou a vida em novembro de 2009, data na qual foi sequestrada, torturada e assassinada por seu ex-marido, Carlo Cosco, um chefe da máfia calabresa, a Ndrangheta, que não perdoou o fato da mãe de sua filha ter lhe entregado à Justiça.

'A bastarda se deu conta'. Esta foi a sentença de morte ditada por Cosco para sua ex-mulher, que, no dia de seu sequestro, estava passando uns dias em Milão junto com a filha para que esta pudesse ver o pai.

O julgamento por sua morte, que foi reaberto há algumas semanas pelo juiz, deixa entrever a situação que dezenas de mulheres da máfia vivem na Itália, onde este tipo de organização criminosa, com suas diferentes matizes dependendo da região, segue minando os fundamentos sociais e econômicos do país.

'A Ndrangheta não admite traições. Trair aqui é muito mais difícil, especialmente pela particular estrutura desta organização, baseada nos vínculos de sangue', explicou à Agência Efe o prefeito de Reggio Calabria, Nicola Gratteri.

Para Lea Garofalo a violação da lei do silêncio lhe custou a vida. Outras muitas mulheres, por outro lado, têm melhor sorte e permanecem escondidas com uma nova identidade sob a ameaça latente dos que um dia foram sua 'família'.

É o caso de Carmella Iuculano, que após denunciar seu marido 'em um ato de amor por seus filhos', como ela mesmo declarou, se viu obrigada a fugir de sua Sicília natal para dar aos filhos um futuro melhor, afastada da máfia.

'As mulheres da máfia são vítimas e cúmplices. Muitas aceitam por comodidade e prestígio as vantagens garantidas por suas respectivas situações familiares, outras não a toleram. Não é fácil se separar do condicionamento mafioso, sobretudo quando há filhos. Os filhos se transformam em chantagem', comentou o prefeito.


A primeira na Itália a romper a barreira do silêncio mafioso foi Serafina Battaglia, mulher de um membro da máfia siciliana 'Cosa Nostra', que em 1962 decidiu revelar os segredos da organização criminosa para vingar a morte de seu filho Salvatore.

'São poucas as mulheres que decidem romper a lei do silêncio. As que fazem frequentemente vivem em condições difíceis e foram obrigadas a casar com homens que não amam, e que muitas vezes, acabam na prisão', revelou Graterri.

Na história das mulheres traidoras ou rebeldes da máfia também figura o nome de Giusy Vitale, mais conhecida como 'Lady Máfia', uma 'mamma' da 'Cosa Nostra' que conseguiu entrar no topo da organização, um topo que, no entanto, a levou para a prisão.

Ali, pelo medo de não poder mais ver mais seus filhos, decidiu romper a 'omerta', o histórico código de silêncio da máfia e se transformar na primeira chefe 'pentita' (arrependida) a colaborar com a Justiça.

No entanto, no universo feminino da máfia também existem claros exemplos de rigor e fidelidade total com os postulados da organização criminosa como o de Giuseppa Mandarano, mulher de Marco Favaloro, acusado e 'pentito' pelo homicídio de Libero Grassi, que declarou que o marido era um 'infame' e que não queria mais vê-lo.

O código da máfia, o conceito de traição nem sempre está relacionado com a quebra da lei do silêncio, mas também com a infidelidade e o adultério. A 'Ndrangheta', concretamente, marca em sua lei que a mulher deve sempre ser fiel ao marido, inclusive além de sua morte. Caso contrário, serão castigadas com a morte.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também