Acompanhe:

Míssil que abateu voo MH17 veio da Rússia, dizem promotores

Promotores da Holanda que investigam a queda do voo MH17, da Malaysia Airlines, afirmaram que o sistema usado para derrubar o avião veio da Rússia

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Destroços do MH17: autoridades disseram que um sofisticado míssil Buk foi disparado a partir do leste da Ucrânia, área que estava sob controle de apoiadores da Rússia
 (Maxim Zmeyev/Reuters)

Destroços do MH17: autoridades disseram que um sofisticado míssil Buk foi disparado a partir do leste da Ucrânia, área que estava sob controle de apoiadores da Rússia (Maxim Zmeyev/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 28 de setembro de 2016 às, 09h54.

Nieuwegen, Holanda - Promotores da Holanda que investigam a derrubada do voo avião da Malaysia Airlines no voo MH17 afirmaram nesta quarta-feira que o sistema usado para derrubar a aeronave na Ucrânia em 2014 veio da Rússia.

As autoridades disseram que um sofisticado míssil Buk foi disparado a partir do leste da Ucrânia, uma área à época controlada por separatistas pró-Moscou. O veículo usado para o disparo retornou ao território russo após o incidente, disseram investigadores.

A investigação criminal internacional liderada pela Holanda é baseada em suas conclusões de comunicações interceptadas e em outras evidências, entre elas fotos de um lançador de mísseis.

A investigação apontou que não havia outros aviões na região, o que descarta a possibilidade de que um avião militar tenha derrubado a aeronave comercial.

A chamada Equipe Conjunta de Investigação apura a queda em 2014 do avião que matou as 298 pessoas a bordo. O relatório trata de questões não cobertas pela investigação sobre a segurança aérea, também liderada pela Holanda. Investigadores no ano passado determinaram que um sofisticado sistema antiaéreo russo derrubou o Boeing 777.

O avião partira de Amsterdã rumo a Kuala Lumpur, mas caiu no leste ucraniano. Separatistas favoráveis a Moscou e tropas ucranianas lutavam pelo controle da região, naquela época. A maioria dos mortos eram holandeses.

A Ucrânia tem acusado os militantes apoiados pela Rússia que operavam na área onde o míssil foi lançado. A Rússia e os rebeldes que ela apoia têm afirmado que as forças ucranianas foram as responsáveis.

A Rússia vetou uma resolução no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas que teria criado um tribunal criminal internacional para investigar a queda do avião.

Parentes das vítimas mostram-se revoltadas com o ritmo lento da investigação criminal e dizem que, mais de dois anos após o episódio, nenhum responsável foi identificado e julgado.

Nesta semana, um porta-voz do Ministério da Defesa russa, o major-general Igor Konashenkov, acusou a Ucrânia de segurar informações do caso.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Últimas Notícias

Ver mais
Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano
Mundo

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano

Há 12 horas

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica
Mundo

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica

Há 12 horas

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio
Mundo

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio

Há 12 horas

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel
Mundo

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais