Macau “celebra” 20 anos de obediência à China

Ex-colônia portuguesa que viu seu PIB decolar com permissão de cassinos é usada pelo governo chinês como exemplo de subordinação a ser seguido por Hong Kong

São Paulo — Enquanto autoridades de Hong Kong anunciaram o cancelamento da tradicional festa de réveillon devido aos protestos constantes que já duram seis meses, a ex-colônia portuguesa Macau “celebra” 20 anos de completa devoção à China. Nesta sexta-feira, a Zona Especial deve comemorar seu aniversário com a presença do presidente Xi Jinping. A ocasião será usada pelo governo chinês como exemplo de obediência a ser seguido por Hong Kong, que programa novos atos para o final de semana. 

Devolvida pelos portugueses em 1999, Macau se consolidou como uma região harmônica, subordinada e próspera para a China. Quando passou para a administração chinesa, o PIB da região era 6,4 bilhões de dólares. Com a permissão para a abertura de cassinos, que hoje correspondem a 80% da economia local, o PIB decolou, indo a 55 bilhões de dólares. 

Atualmente, Macau também possui o terceiro maior PIB per capita do mundo, atrás, apenas, de Luxemburgo e Suíça. Para o Partido Comunista Chinês (PCC), no entanto, para além da prosperidade vinda dos jogos, a obediência dos 700 mil habitantes de Macau é o que interessa — especialmente em um cenário onde milhares de pessoas ocupam as ruas de Hong Kong em busca de mais autonomia. 

Na última quarta-feira, autoridades de Hong Kong anunciaram que, pela primeira vez, a região não terá a tradicional queima de fogos na virada do ano. “Temos que esperar que a ordem seja completamente restaurada, antes de colocar em práticas estratégias para recuperar o turismo”, disse o diretor-executivo da Junta de Turismo local, Dane Cheng Ting, sobre um dos eventos mais procurados de Hong Kong, em que fogos de artifícios são disparados do alto de arranha-céus. 

A expectativa é que o próximo final de semana também seja marcado por protestos. Para o PCC, sobra a missão de evitar que a desordem se replique em outros lugares. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.