Mundo

Jill Biden assume protagonismo em momento de baixa na campanha do marido à presidência dos EUA

Primeira-dama é considerada 'centro de gravidade' de Joe Biden, e, sem seu apoio, democrata não teria tentado um segundo mandato

Primeira-dama dos EUA, Jill Biden, defendeu projeto de lei para oferecer universidades comunitárias gratuitas (AFP/AFP)

Primeira-dama dos EUA, Jill Biden, defendeu projeto de lei para oferecer universidades comunitárias gratuitas (AFP/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 4 de julho de 2024 às 08h35.

Depois de seu desastroso debate com Donald Trump, o presidente americano Joe Biden contou com o apoio incondicional da primeira-dama Jill, que está mais do que nunca na linha de frente da campanha de seu marido. Ela seria "tão influente como afirmam os especialistas e sua opinião é mais importante para ele [Biden] do que de qualquer outra pessoa", segundo Tammy Vigil, professora de comunicação na Universidade de Boston, que afirma que "sem seu apoio, seria impossível para ele permanecer na disputa."

Na segunda-feira, a revista Vogue revelou a capa de sua edição de agosto: Jill Biden, com um vestido longo tipo jaqueta de seda branca da Ralph Lauren. A fotografia é do final de abril, e o artigo da revista se baseia em entrevistas e reportagens realizadas durante esse período, muito antes de Joe Biden participar do debate na CNN contra seu rival republicano.

A Vogue revelou ter falado por telefone com ela pouco depois do debate, enquanto aumentavam os pedidos para que o democrata de 81 anos retirasse sua candidatura.

A pessoa adequada

"Não permitiremos que esses 90 minutos definam os quatro anos em que foi presidente. Seguiremos lutando", declarou a professora de 73 anos. "Joe não é apenas a pessoa adequada para o posto", "é a única pessoa para o posto", declarou no sábado Jill, sua esposa há 47 anos, durante um comício com doadores democratas.

Na quinta, ao final do debate, a primeira-dama deu o braço ao seu marido para ajudá-lo a descer, com dificuldade, as poucas escadas do estúdio da CNN. Na sexta, apareceu ao lado de um Joe Biden revigorado em um comício na Carolina do Norte, com um vestido estampado com a palavra "Vote".

Ela se casou com Joe Biden em 1977. Ele era viúvo após a morte de sua mulher e de uma filha em um acidente de carro. Dois filhos sobreviveram: Beau e Hunter. Beau Biden, com um futuro político promissor, morreu de câncer. Hunter lutou durante anos contra seu vício em crack. Com Jill teve uma filha, Ashley, e tem vários netos.

A primeira-dama é seu centro de gravidade. Sem seu apoio, o democrata não teria tentado um segundo mandato. Ao chegar à Casa Branca, ela continuou dando aulas de inglês em uma universidade perto de Washington, algo inédito para a esposa de um presidente.

Decorações e campanhas

Fora isso, ela desempenha o papel estereotipado e relativamente modesto de primeira-dama, ou seja, é responsável pelas decorações de Natal e pelo cardápio dos jantares de gala, bem como por causas consensuais, no caso dela, por exemplo, a promoção da leitura.

"Uma primeira-dama americana contemporânea deve ser a 'arma não tão secreta' que ajuda o marido, atestando seu caráter e ajudando a levantar fundos. É por isso que se espera que Jill Biden participe da campanha", explica Tammy Vigil. "No entanto, também há limites não declarados para essa atividade que são difíceis de determinar até que alguma linha seja ultrapassada. Se ela for muito vigorosa na defesa do marido, as pessoas reclamarão. No entanto, se ela não for visível o suficiente [como no caso de Melania Trump], ela também será criticada", avalia.

Ao apoiar tão abertamente Joe Biden desde o calamitoso confronto com Donald Trump, Jill Biden criará uma onda de simpatia ou desviará parte da opinião pública? Nas redes sociais, a primeira-dama tornou-se, desde o debate, o alvo favorito de alguns apoiadores de Donald Trump, que a classificam como uma manipuladora inescrupulosa.

"O que Jill Biden e sua equipe de campanha fizeram esta noite [...] é abuso de idosos", reagiu a congressista conservadora Harriet Hageman em uma mensagem no X na noite de quinta-feira.

 

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenDonald TrumpEleições EUA 2024

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame