Mundo

Itália dá 18 meses a Google para mudar uso de dados

Reguladores em diversos países europeus, incluindo a Itália, deram início a uma investigação conjunta no ano passado


	Google: empresa não terá a permissão de usar dados para criar perfis dos usuários sem seu consentimento
 (Loic Venance/AFP)

Google: empresa não terá a permissão de usar dados para criar perfis dos usuários sem seu consentimento (Loic Venance/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de julho de 2014 às 15h15.

Milão - O órgão regulador de proteção de dados da Itália deu ao Google 18 meses para mudar a forma como trata e armazena dados de usuários, pondo fim a uma investigação que é parte de um movimento europeu para reformar as práticas de privacidade da gigante da Internet.

Reguladores em diversos países europeus, incluindo a Itália, deram início a uma investigação conjunta no ano passado, após o Google consolidar suas 60 práticas de privacidade em apenas uma. A empresa combinou dados coletados de usuários individuais de seus serviços, incluindo YouTube, Gmail e a rede social Google+. O Google não deu aos usuários uma forma de optar pela não consolidação.

Em comunicado nesta segunda-feira, o órgão regulador italiano disse que a maneira como o Google informa aos usuários como seus dados estão sendo tratados permanece inadequada, apesar de a companhia ter tomado medidas para se adequar a leis locais. A autoridade deu 18 meses à empresa para obedecer totalmente às regras.

O regulador, baseado em Roma, disse que o Google não terá a permissão de usar dados para criar perfis dos usuários sem seu consentimento anterior e precisará dizer a eles explicitamente que os perfis são feitos para propósitos comerciais.

Um porta-voz do Google disse que a empresa sempre cooperou com o regulador e vai continuar a fazê-lo, acrescentando que analisará cuidadosamente a decisão antes de tomar novas medidas.

O Google já foi multado por reguladores de França e Espanha por quebrar leis locais sobre proteção a dados.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaEuropaGoogleItáliaPaíses ricosPiigsPrivacidadeseguranca-digitalTecnologia da informação

Mais de Mundo

Ataque a Trump: "Ainda é cedo para dizer se atirador agiu sozinho", dizem autoridades

Trump se pronuncia após ser atingido na cabeça em comício na Pensilvânia

Biden se pronuncia sobre tiroteio no comício de Trump: "Estou grato em saber que ele está bem"

'Atentado contra Trump deve ser repudiado', diz Lula sobre tiros durante comício

Mais na Exame