Futuro da Autoridade Palestina depende negociações

Os palestinos poderiam decidir desmantelar a Autoridade a fim de transferir para Israel a responsabilidade da gestão do seu território como potência ocupante

Os palestinos não excluem dissolver a Autoridade Palestina, em caso de fracasso das negociações de paz com Israel, declarou neste domingo uma autoridade palestina.

A equipe de negociação palestina informou o mediador americano Martin Indyk que os palestinos poderiam decidir desmantelar a Autoridade dirigida pelo presidente Mahmoud Abbas, a fim de transferir para Israel a responsabilidade da gestão do seu território como potência ocupante, afirmou esta autoridade.

Os palestinos já evocaram nos últimos anos a possibilidade de dissolver a Autoridade, criada após os Acordos de Oslo (1993) para administrar as regiões autônomas dos Territórios Palestinos.

Mas esta é a primeira vez que tal ameaça é feita após a retomada das negociações de paz entre Israel e a Palestina, sob a égide do secretário de Estado americano, John Kerry, em julho passado.

As negociações estão atualmente bloqueadas e a iniciativa de Kerry parece cada vez mais comprometida.

"Os palestinos informaram Indyk que se a intransigência israelense continuar, eles terão várias opções a considerar", comentou o funcionário palestino à AFP, referindo-se a última reunião entre o enviado americano e negociadores palestinos na sexta-feira.

"Em primeiro lugar, há a opção de entregar as chaves da Autoridade às Nações Unidas para que se responsabilizem pelo povo palestino e o Estado da Palestina, que está sob ocupação - ou que Israel assuma inteira responsabilidade por sua ocupação", disse ele.

O presidente Abbas tem sido constantemente confrontado com sérias dificuldades financeiras e depende, para sobreviver, da ajuda externa.

Uma importante reunião da direção da Organização de Libertação da Palestina (OLP) está prevista para os próximos sábado e domingo em Ramallah para discutir o processo de paz e as várias opções em caso de falha da iniciativa Kerry.

"Abu Mazen (primeiro nome de Mahmoud Abbas) incentiva o terror contra Israel à frente da Autoridade Palestina e ameaça demitir-se", reagiu um ministro israelense da extrema-direita, Naftali Bennett.

"Se ele quiser partir não iremos segurá-lo. Não se negocia com Israel com uma arma em sua cabeça", disse Bennett, chefe do partido nacionalista.

Israelenses e palestinos multiplicaram os gestos de hostilidade desde que Israel se recusou a libertar, conforme o programado, em 29 de março o último contingente de presos, reivindicando a extensão das negociações de paz para além do prazo de 29 de abril.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.