Mundo

França vive dia de reflexão antes de eleições cruciais

Os quase 50 milhões de franceses têm diante de si um dilema: votar no partido de extrema direita de Marine Le Pen ou na "frente republicana"

Torre Eiffel: franceses vão às urnas neste sábado já no clima dos Jogos Olímpicos (	NurPhoto /Getty Images)

Torre Eiffel: franceses vão às urnas neste sábado já no clima dos Jogos Olímpicos ( NurPhoto /Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 6 de julho de 2024 às 14h56.

A França vive um dia de reflexão neste sábado (6), véspera do segundo turno das eleições legislativas mais incertas, que poderão obrigar o presidente Emmanuel Macron a compartilhar o poder com um novo governo de extrema direita na Europa.

Os quase 50 milhões de franceses convocados às urnas têm diante de si um dilema nestas eleições antecipadas: votar no partido de extrema direita Reagrupamento Nacional (RN) de Marine Le Pen ou na "frente republicana" formada pela esquerda e pela coalizão de centro-direita?

As seções eleitorais abrirão no domingo às 8h locais (3h de Brasília), após os eleitores que vivem nos territórios franceses na América e em outros países do continente americano votarem neste sábado.

"O que está em jogo neste domingo é, pela primeira vez na história de nosso país, a possibilidade de uma vitória da extrema direita nas urnas", alertou na sexta-feira o líder social-democrata Raphaël Glucksmann.

Frente Nacional venceu o primeiro turno

O partido sucessor do Frente Nacional, de Jean-Marie Le Pen, conhecido por seus comentários racistas e antissemitas, e seus aliados, venceram o primeiro turno com 31,37% dos votos e agora esperam alcançar uma maioria absoluta.

"Temos muitas chances de obter a maioria absoluta" de 289 deputados, assegurou na sexta-feira Marine Le Pen, cujo partido propõe como primeiro-ministro sua estrela emergente Jordan Bardella, de 28 anos.

Seu programa se baseia em três pontos: controle da imigração, segurança e poder de compra. O RN promete um "big bang" na autoridade escolar, além de reservar a nacionalidade para crianças com pelo menos um progenitor francês, entre outras medidas.

A vitória da extrema direita na segunda maior economia da União Europeia e potência nuclear também poderia enfraquecer a influência da França em Bruxelas, onde tem sido um dos principais motores da integração europeia, e minar o apoio político à Ucrânia.

E acrescentaria um novo governo com ultradireitistas na Europa: na Itália, a pós-fascista Giorgia Meloni é a primeira-ministra; e também fazem parte do Executivo em outras nações como Finlândia, Eslováquia e Países Baixos.

"Frente republicana"

Para evitar isso, a Nova Frente Popular (NFP) — uma coalizão de esquerda que vai desde a ala social-democrata até anticapitalistas e que obteve 28% dos votos no primeiro turno — e a aliança de Macron (20%), formaram uma "frente republicana".

Esse princípio implica a retirada do candidato "republicano" com menos chances de vencer nas circunscrições onde ambas as alianças se classificaram para o segundo turno, junto com um adversário de extrema direita em posição forte.

A estratégia parece dar resultados. As últimas projeções da Ipsos e do Ifop dão ao RN e seus aliados entre 170 e 210 assentos dos 577 da Assembleia Nacional (Câmara Baixa), apesar de, antes das retiradas, a maioria absoluta parecer possível.

Mas essas projeções também apresentam um cenário em que os três blocos surgidos das eleições de 2022 — esquerda, centro-direita e extrema direita — continuam, com uma nova distribuição de forças e sem maiorias claras.

Hipóteses na mesa

Várias hipóteses emergem: uma coalizão entre parte da esquerda, o governo e deputados de direita que não se aliaram ao RN, ou até mesmo um governo tecnocrata com apoio parlamentar.

Mas a ideia de uma "grande coalizão" se mostra difícil. A NFP prometeu revogar a impopular reforma da previdência de Macron e aprovar um imposto sobre grandes fortunas, duas linhas vermelhas para seus eventuais aliados.

A menos de três semanas do início dos Jogos Olímpicos de Paris, o primeiro-ministro de centro-direita, Gabriel Attal, anunciou que seu governo está disposto a permanecer "o tempo que for necessário" para garantir a continuidade do Estado.

A taxa de abstenção será crucial. A participação no primeiro turno foi quase 20 pontos superior à de 2022, mas a política de abandonos poderia desanimar eleitores obrigados a votar em um candidato oposto às suas ideias.

Diante de possíveis "distúrbios", as autoridades mobilizarão 30.000 policiais e gendarmes na noite de domingo, após uma campanha marcada pela tensão e agressões a cerca de cinquenta candidatos e militantes.

Acompanhe tudo sobre:França

Mais de Mundo

Venezuela: campanha eleitoral termina hoje, com Maduro falando em "banho de sangue"

PIB dos EUA acelera e taxa anualizada vai a 2,8% no 2º trimestre

Netanyahu defende conflito em Gaza no Congresso americano e milhares protestam contra ele

Qual o país com o passaporte mais 'poderoso' do mundo?

Mais na Exame