Processo para Ucrânia entrar na UE pode levar décadas, diz Macron

Líderes se dividem sobre quão rápido Bruxelas poderia agir para aceitar a Ucrânia como integrante
"Nós todos sabemos que o processo de permitir que a Ucrânia ingresse levaria vários anos, na verdade provavelmente várias décadas", disse Macron (Benjamin Girette/Bloomberg/Getty Images)
"Nós todos sabemos que o processo de permitir que a Ucrânia ingresse levaria vários anos, na verdade provavelmente várias décadas", disse Macron (Benjamin Girette/Bloomberg/Getty Images)
Por Estadão ConteudoPublicado em 09/05/2022 15:38 | Última atualização em 09/05/2022 15:39Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente da França, Emmanuel Macron, advertiu nesta segunda-feira, 9, que poderia levar "várias décadas" até que a Ucrânia conseguisse fazer parte da União Europeia (UE). Em discurso para marcar o Dia da Europa em Estrasburgo, na França, o líder propôs uma nova organização política para unir países do continente que compartilham valores da UE, mas não são parte do bloco.

Macron disse que "nós todos sabemos que o processo de permitir que a Ucrânia ingresse levaria vários anos, na verdade provavelmente várias décadas". Ele falou após a Comissão Europeia, braço executivo da UE, dizer que almeja entregar uma primeira opinião sobre o pedido ucraniano de se unir ao bloco em junho.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME por menos de R$ 11/mês.

Uma vez que o status de candidato for concedido, o processo de ingresso na UE em geral leva anos e o veto de apenas um dos membros pode impedir a entrada e inclusive travar as negociações nesse processo.

O bloco de 27 países tem se mostrado unido em apoiar a resistência da Ucrânia à invasão da Rússia, adotando sanções econômicas sem precedentes contra Moscou desde o início da guerra, no dia 24 de fevereiro passado. Mas os líderes se dividem sobre quão rápido Bruxelas poderia agir para aceitar a Ucrânia como integrante, e quão rapidamente o bloco poderia cortar os laços com Moscou no setor de energia.

(Estadão Conteudo com informações de AFP)

LEIA TAMBÉM: