Empresa francesa é acusada de contribuir com regime de Assad

Companhia tecnológica Qosmos é acusada de vender equipamentos de vigilância para o regime sírio

Paris - A Federação Internacional de Direitos Humanos (FIDH) e a Liga de Direitos Humanos (LDH) exigiram nesta quarta-feira que a justiça francesa investigue o papel das empresas francesas no conflito da Síria, especialmente a companhia tecnológica Qosmos, que é acusada de vender equipamentos de vigilância para o regime de Bashar al Assad.

O produto, chamado "Deep Packet Inspection", serve para analisar em tempo real dados digitais que circulam pela internet, e poderia estar sendo utilizado pelo governo sírio para rastrear as comunicações da população e dos ativistas.

O presidente de honra da FIDH, Patrick Baudouin, disse que "como as autoridades francesas denunciam com firmeza a atuação de Assad contra o povo sírio, é indispensável que se esclareça a eventual participação de empresas francesas no abastecimento de equipamento de vigilância do regime".

"As companhias ocidentais devem saber que não podem vender esse tipo de material a regimes autoritários sem que haja consequências", acrescentou o presidente de honra da LDH, Michel Tubiana.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.