Mundo

Eleições no Reino Unido: Trabalhistas voltam ao poder após 14 anos e Starmer é novo premiê

Rishi Sunak deixou o cargo e admitiu derrota após apuração confirmar derrota de seu partido

Keir Starmer, de 61 anos, é o líder dos trabalhistas desde 2020 (Justin Tallis/AFP)

Keir Starmer, de 61 anos, é o líder dos trabalhistas desde 2020 (Justin Tallis/AFP)

Publicado em 5 de julho de 2024 às 06h02.

Última atualização em 5 de julho de 2024 às 10h16.

O Partido Trabalhista, de centro-esquerda, confirmou as projeções e conseguiu uma vitória esmagadora e histórica contra os Conservadores, de centro-direita, nas eleições para o Parlamento britânico. Assim, eles voltam ao poder depois de 14 anos. A legenda ultrapassou nesta madrugada o mínimo necessário de 326 cadeiras para compor a maioria.

Com a vitória, Keir Starmer foi nomeado como novo primeiro-ministro do Reino Unido. Durante discurso, ele disse que seu mandato exigirá "grande responsabilidade" e prometeu trabalhar imediatamente para melhorar o país. Custo de vida e crescimento da economia são algumas das principais preocupações.

O resultado está sendo tratado pela mídia britânica como uma "lavada" dos Trabalhistas, já que até o momento eles conseguiram 410 assentos contra 119 dos Conservadores, que deixam o poder com uma imagem desgastada

Os Liberais Democratas ficaram em terceiro lugar com pelo menos 71 deputados. Já o Partido Nacional Escocês deve ter seu número de deputados reduzido de 47 para 9. O Reform UK, de direita radical, representado por Nigel Farage, um dos expoentes do Brexit, que antes não tinha assento no Parlamento, conseguiu 4.

O Partido Verde e o Partido do País de Gales (Plaid Cymru) terão quatro deputados cada.

O atual primeiro-ministro, Rishi Sunak, admitiu a derrota e afirmou que ligou para Starmer para parabenizá-lo. Ele  prometeu uma transição pacífica e ordeira.

Reino Unido tem novo premiê: Keir Steimer

O que acontece agora

Após o anúncio do resultado oficial, o rei Charles III pediu ao líder do Partido Trabalhista que se torne primeiro-ministro e forme um governo.

Keir Starmer, de 61 anos, é o líder dos trabalhistas desde 2020, quando sucedeu a Jeremy Corbyn. Antes, Starmer foi chefe do Ministério Público do Reino Unido.

O mandato do premiê dura cinco anos no Reino Unido e, como o Partido Conservador do país venceu as últimas eleições gerais em dezembro de 2019, o próximo pleito deveria ocorrer, por lei, até janeiro de 2025. Porém, Sunak resolveu antecipar as eleições, o que é permitido pelo sistema parlamentarista.

O líder do partido com o segundo maior número de parlamentares, no caso agora os conservadores, torna-se o líder da oposição.

Como é a votação no Reino Unido

A votação define as 650 cadeiras da Câmara dos Comuns: 543 eleitas na Inglaterra, 57 na Escócia, 32 em Gales e 18 na Irlanda do Norte. No total, 4.515 candidatos disputarão as eleições, um recorde.

Os parlamentares são eleitos para um mandato de cinco anos. Em cada circunscrição eleitoral, o candidato que recebe o maior número de votos é declarado vencedor, mesmo que não atinja mais de 50%. Este método de votação favorece os partidos majoritários, neste caso os conservadores e os trabalhistas.

O primeiro-ministro é nomeado pelo rei. Ele pode ser o líder do partido mais votado, caso obtenha maioria absoluta, ou da principal legenda da coalizão formada, caso a maioria absoluta não seja alcançada. Para obter a maioria absoluta, um partido deve conquistar ao menos 326 cadeiras.

Acompanhe tudo sobre:Reino Unido

Mais de Mundo

A estratégia dos republicanos para lidar com a saída de Biden

Se eleita, Kamala será primeira mulher a presidir os EUA

Kamala Harris diz que será candidata a presidente e agradece apoio de Biden

Após desistir, Biden segue presidente? Quem vai substituí-lo? Veja tudo o que se sabe

Mais na Exame