EI assassina 25 civis e pendura corpos em postes de luz

Civis tentavam fugir, mas foram assassinados na área oeste de Mosul, no Iraque, ainda controlada por jihadistas

Mossul - O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) assassinou e pendurou em postes de luz 25 civis que tentavam fugir neste domingo (9) das áreas do oeste da cidade setentrional iraquiana de Mosul que ainda são controladas pelos jihadistas.

O chefe do Conselho de Segurança da província de Ninawa - da qual Mosul é capital -, Mohamed Ibrahim al Bayati, disse à Agência Efe que o EI matou os 25 civis no bairro de Al Tank quando tentavam chegar às áreas libertadas pelas forças de segurança iraquianas.

O dirigente detalhou que os membros radicais "os detiveram e os mataram, e depois penduraram seus cadáveres nos postes de eletricidade do bairro de Al Tank".

Al Bayati acrescentou que EI também lançou 40 bombas contra os bairros de Al Matahen e Al Yarmuk, o que provocou o pânico entre a população.

Como consequência dos disparos, que causaram um número indeterminado de feridos, várias famílias fugiram para áreas mais seguras.

Por sua parte, o comandante das Operações Conjuntas, o general Abdelamir Yarala, anunciou em um comunicado que as forças antiterroristas "libertaram o bairro de Al Matahen por completo" após dias de combates.

Além disso, um comandante das forças especiais antiterroristas, o general Maan al Saadi, explicou à Efe que suas tropas libertaram mais de 90% do bairro de Al Yarmuk.

Al Saadi detalhou que as forças iraquianas se encontram nas entradas dos bairros ocidentais de Al Islah, Al Zeraai, Al Abar e Al Zaura, e acrescentou que as forças especiais mataram 35 terroristas e destruíram quatro veículos-bomba em seu lento avanço.

Em outro comunicado, o comandante da Polícia Federal, Raide Shaker Yaudat, informou que as forças deste corpo de combate cumpriram 60% de sua tarefa de destruir as linhas de fornecimento dos jihadistas em torno da mesquita Al Nuri, local onde o dirigente máximo do EI, Abu Bakr al Bagdadi, proclamou o "califado" em junho de 2014, e onde os extremistas não dão o braço a torcer.

No bairro 17 Tamuz, os soldados mataram seis líderes em um centro de controle dos jihadistas, entre eles um ex-oficial do exército iraquiano identificado como Harez Abdalah Salman.

No leste de Mosul, libertado pelas tropas iraquianas no último dia 24 de janeiro, o governador de Ninawa, Nofal al Sultan, saiu ileso de um atentado contra seu comboio que só causou leves danos em um veículo.

Um comunicado emitido pelo escritório de informação da província explicou que a explosão aconteceu no bairro da Al Sukar quando o governador dirigia-se a um hospital.

As forças iraquianas começaram no último dia 19 de fevereiro a ofensiva para liberar a parte ocidental de Mosul, depois de ter completado a reconquista da metade leste.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.