Conselho de Segurança decide manter-se à margem de crise no Egito

Segundo a embaixadora brasileira no órgão, conselho não fez reunião sobre o assunto e nem tem a intenção de fazê-lo

Nova York - O Conselho de Segurança da ONU não tem intenção de abordar a crise política no Egito e em outros países árabes, disse nesta quarta-feira a embaixadora do Brasil no organismo, Maria Luiza Ribeiro Viotti.

A diplomata afirmou que nenhum dos 15 membros do principal órgão de segurança internacional mostrou interesse até o momento em realizar uma reunião sobre a situação no Egito, onde nesta quarta-feira partidários e opositores ao presidente Hosni Mubarak se enfrentaram nas ruas.

"A situação no Egito não está na agenda do Conselho e não deve ser abordada", disse Maria Luiza na entrevista coletiva em que apresentou a agenda mensal do Conselho de Segurança.

Segundo ela, os países por enquanto preferem tratar o assunto no marco de suas respectivas relações bilaterais com o Cairo e outras nações árabes que se viram afetadas pelas manifestações a favor de reformas políticas.

"O Conselho de Segurança é visto como um mecanismo de último recurso, portanto, por enquanto, não há nenhuma intenção" de se envolver na crise egípcia, acrescentou.


Por sua vez, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta quarta-feira categoricamente os ataques contra manifestantes pacíficos no Egito e os qualificou como "inaceitáveis".

O principal responsável do organismo multilateral referiu-se à crise egípcia em entrevista coletiva conjunta com o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, após se reunir com ele em Londres.

Pelo menos uma pessoa morreu e 403 ficaram feridas nos distúrbios registrados nesta quarta-feira na cêntrica praça Tahrir do Cairo, disseram fontes oficiais.

Por sua vez, um porta-voz do Movimento 6 de abril falou em pelo menos 750 feridos durante os confrontos e disse que cerca de 300 médicos os atendem em um improvisado hospital de campanha instalado em uma mesquita junto à praça.

Os confrontos tiveram início com a chegada de partidários do regime do presidente Mubarak à praça Tahrir, que estava ocupada por militantes da oposição para exigir a renúncia do chefe de Estado, no poder desde 1981.

Desde a noite de sexta-feira, a praça estava ocupada por tropas do Exército, mas os soldados e os civis que ocupavam o local não conseguiram impedir a entrada de milhares de partidários de Mubarak.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também