Com Biden, Índia quer importar mais petróleo de Irã e Venezuela

País asiático suspendeu as importações do Irã — que já foi seu terceiro maior fornecedor de petróleo — em meados de 2019, com a volta das sanções dos EUA

A Índia espera que o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, adote uma postura mais branda em relação ao Irã e à Venezuela, permitindo que o terceiro maior importador de petróleo do mundo diversifique suas fontes de compra do combustível.

A Índia ficaria contente com o aumento do número de países produtores, afirmou o ministro do Petróleo, Dharmendra Pradhan, em entrevista à Bloomberg TV, reiterando comentários que fez no mês passado. “Algumas mudanças geopolíticas chegaram”, disse ele. “Vamos esperar pelos desdobramentos.”

A economia indiana é profundamente dependente de energia importada e suas refinarias penaram com a política externa agressiva da Casa Branca nos últimos anos, que restringiu o acesso ao petróleo do Irã e da Venezuela. Pradhan também se mostrou exasperado com a Arábia Saudita, líder de fato da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), que anunciou cortes unilaterais de produção em resposta à aceleração do contágio pela Covid-19.

A mudança repentina na política de produção dificulta o planejamento econômico e vai estimular a inflação, segundo ele. “Nós nunca esperamos preços baixos para o petróleo. Mas não deve ser uma reação automática.”

A Índia suspendeu as importações do Irã — que já foi seu terceiro maior fornecedor de petróleo — em meados de 2019, após o término das isenções de sanções dos EUA. O país comprou 7,65 milhões de toneladas de petróleo venezuelano entre janeiro e outubro do ano passado, após adquirir 15,9 milhões de toneladas em 2019. O Irã prometeu aumentar as exportações de petróleo e os embarques para a China quase dobraram entre novembro e dezembro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.