Canal de Suez: bloqueio pode causar morte de animais a bordo de 14 navios

O gado precisa de comida e água, e os navios carregam apenas o suficiente para alguns dias extras. Os animais podem morrer de fome se o bloqueio continuar
Canal de Suez: os navios que transportam 92 mil animais para a Jordânia estão presos, disse um oficial (Satellite image (c) 2020 Maxar Technologies./Getty Images)
Canal de Suez: os navios que transportam 92 mil animais para a Jordânia estão presos, disse um oficial (Satellite image (c) 2020 Maxar Technologies./Getty Images)
Por Agência O GloboPublicado em 27/03/2021 17:27 | Última atualização em 28/03/2021 10:25Tempo de Leitura: 4 min de leitura

De todos os milhões de toneladas de carga que se amontoam no Canal de Suez nos navios engarrafados pelo encalhe do Ever Given, nenhuma é mais delicada do que os animais amontoados nos cascos de várias das embarcações.

Registros compilados pela Bloomberg indicam que até 14 embarcações presas dentro e ao redor do canal podem carregar milhares de animais. Dados os itinerários da Europa para o Oriente Médio de muitos, eles provavelmente estão carregando ovelhas.

Os navios que transportam 92 mil animais para a Jordânia estão presos, disse um oficial.

Embora grande parte das cargas embarcadas seja composta por commodities, como petróleo, que podem ser armazenadas em navios por longos períodos, o gado precisa de comida e água, e os navios geralmente carregam apenas o suficiente para alguns dias extras. Isso poderia criar uma situação crítica: os navios teriam que partir em busca de novos suprimentos de ração ou retornar a seus portos de origem.

Navio que fechou a passagem se mexe um pouco, mas continua encalhado

O chefe da Autoridade do Canal de Suez afirmou neste sábado que as tentativas de remover o navio porta-contêineres que está encalhado e bloqueando o canal permitiram que sua popa e leme se movessem, mas ainda não se podia prever quando o barco voltaria a flutuar.

O cargueiro Ever Given, de 400 metros e mais de 200 mil toneladas, ficou encalhado na diagonal na parte sul do canal em meio aos fortes ventos no início da terça-feira, afetando a navegação global ao bloquear uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo.

Cerca de 15% do tráfego marítimo global passam pelo Canal de Suez e centenas de navios aguardam para atravessar o canal assim que ele for desobstruído.

O presidente da Autoridade, Osama Rabie, afirmou que espera que não seja necessário retirar alguns dos 18.300 contêineres que estão no navio para aliviar o seu peso, mas admitiu que as marés e ventos fortes estavam complicando os esforços para desencalhá-lo.

— A popa do navio começou a se mover em direção a Suez, e isso foi um sinal positivo, mas a maré caiu significativamente e paramos — disse Rabie a jornalistas em Suez. — Esperamos que a qualquer momento o navio possa deslizar e se mover do local em que está.

O cargueiro poderia ser retirado da posição no início da próxima semana, afirmou a empresa envolvida na missão para liberar a via estratégica que liga o Mar Vermelho ao Mediterrâneo, onde mais de 200 navios aguardam para fazer a travessia.

— Com os barcos que teremos no local, a terra que já conseguimos dragar e a maré alta, esperamos que seja suficiente para desencalhar o navio no início da próxima semana — afirmou Peter Berdowski, diretor executivo da Royal Boskalis, a matriz da Smit Salvage, a empresa holandesa contratada para ajudar na operação.

Se isto não for suficiente, será necessário retirar os contêineres para reduzir o peso do cargueiro, advertiu Berdowski, uma solução que levaria muito mais tempo.

Piratas à espreita

Enquanto isso, com cada vez mais navios podendo ser desviados para a rota contornando o Cabo da Boa Esperança, o temor das empresas é que os ataques de pirataria aumentem. Os piratas há muito perseguem os navios que se deslocam nas águas na região do Chifre da África, e os mares da África Ocidental, rica em petróleo, são agora considerados um dos mais perigosos do mundo para o transporte marítimo.

Velocidade acima do limite

Momentos antes de encalhar, em meio a fortes ventos e a uma tempestade de areia, o Ever Given aparentemente viajava mais rápido do que o limite de velocidade estabelecido pela Autoridade do Canal de Suez, informou a Bloomberg.

A última velocidade registrada do Ever Given foi de 13,5 nós, detectada 12 minutos antes do encalhe, de acordo com dados da Bloomberg. A velocidade máxima permitida através do canal fica entre 7,6 nós e 8,6 nós.

Além disso, o cargueiro gigante nao contava com um rebocador como escolta no canal, de acordo com a agência. Os dois navios imediatamente à frente dele tinham escoltas, embora elas não sejam obrigatórias.

E pelo menos um outro cargueiro preferiu esperar a tempestade passar para se aventurar pelo canal.