Brics são vítimas das políticas das nações ricas, diz professor

Professor da Universidade de Brasília considera que excesso de dólares no mercado prejudica o Brasil

Brasília – Os países emergentes, principalmente as economias do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), são as principais vítimas das políticas econômicas das nações desenvolvidas, disse hoje (18) o professor da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em economia internacional Newton Marques. Em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, ele afirmou que as medidas econômicas adotadas pelos países ricos para combater a crise agravam os desequilíbrios externos nas nações em desenvolvimento.

Sobre o encontro do G20 (grupo das 20 principais economias do mundo), que ocorreu na semana passada nos Estados Unidos, Marques destacou que o Brasil tem sido visto como uma liderança emergente, ao lado da China, Índia e Rússia. Segundo ele, esses países procuram influenciar as decisões porque são os mais afetados pelas políticas econômicas que ele considera equivocadas. “Com a recessão nos Estados Unidos, o Banco Central norte-americano injeta um volume maior de dólares na economia, com reflexos no mundo todo, principalmente nos países emergentes”, enfatizou.

Para o professor, o Brasil é um dos países que mais sofre com o excesso de dólares no mercado e o forte processo de valorização cambial, com consequências para as exportações, pois a valorização excessiva do real torna os produtos brasileiros mais caros no exterior. “No fim, perdemos produtividade perante o mercado norte-americano”, disse. Segundo ele, as medidas adotadas pela União Europeia para salvar o euro também terão reflexo sobre os países emergentes.

De acordo com o especialista, o Brasil tem trilhado um bom caminho, mas precisa aprender a lidar com a desvalorização do dólar e a controlar a inflação. “As economias vão ter que se desenvolver de tal modo que se resolva tanto o câmbio quanto a inflação, se preocupando com o equilíbrio externo”, disse. Segundo o professor, não adianta ter desenvolvimento econômico financiado com dívida externa, nem baixo endividamento sem crescimento. “É um processo que acaba sendo insustentável [nos dois casos]”, afirmou.

Ele lembrou que os países desenvolvidos conseguem resolver os problemas com maior facilidade do que países em desenvolvimento, como os países que formam o Brics. “Um país desenvolvido tem crise passageira. O Japão, num instante, resolveu a maior parte dos problemas provocados pelo tsunami. O Brasil, no entanto, tem problemas sérios e não consegue resolver as coisas rapidamente”, afirmou.

Para Marques, o Brasil sofre não apenas com problemas culturais, mas também com a escassez de capital. Ele afirmou que o país apenas está começando a enfrentar os problemas estruturais. “O Brasil tem trilhado esse caminho, mas tem muito a fazer”, declarou.

Quanto à reclamação da população sobre os gastos públicos e o aumento da carga tributária, o economista lembra que a sociedade quer um governo que não gaste muito, mas, ao mesmo tempo, forneça bons serviços. “Infelizmente, é difícil identificar o que precisa ser feito, mas é imediato gastar recursos públicos e arrecadar impostos. A sociedade quer um governo que não gaste e, ao mesmo tempo, utilizar os serviços públicos”, explicou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.