Mundo

Brasil e Bolívia não podem tolerar "devaneios autoritários e golpismos", diz Lula

Presidente brasileiro viajou para o país vizinho depois de comparecer a cúpula do Mercosul no Paraguai

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (e), durante reunião bilateralentre o Presidente do Estado Plurinacional da Bolívia, Luis Arce  (Ricardo Stuckert / PR/Agência Brasil)

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (e), durante reunião bilateralentre o Presidente do Estado Plurinacional da Bolívia, Luis Arce (Ricardo Stuckert / PR/Agência Brasil)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 9 de julho de 2024 às 18h40.

Última atualização em 9 de julho de 2024 às 18h55.

Brasil e Bolívia não podem tolerar "devaneios autoritários e golpismos", disse nesta terça-feira, 9, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante encontro com o colega Luis Arce na cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra.

"Temos a enorme responsabilidade de defender a democracia contra as tentativas de retrocesso", ressaltou Lula, que chegou a Santa Cruz de La Sierra na véspera e se reuniu hoje com o presidente boliviano.

Lula lembrou em seu discurso os incidentes de 8 de janeiro de 2023, quando apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadiram as sedes dos Três Poderes, em Brasília, e citou as crises políticas na Bolívia em 2019 e no mês passado.

Em tom reflexivo, disse que a manutenção do sistema democrático "provou ser ainda um terreno movediço". Arce agradeceu ao Brasil por condenar a tentativa de golpe na Bolívia e por sua solidariedade à democracia boliviana.

Sem citá-los diretamente, Lula fez alusão às diferenças entre Arce e seu mentor político, Evo Morales (2006-2019): "Em todo o mundo, a desunião das forças democráticas só tem servido à extrema direita."

Morales acusa o governo Arce de ter promovido uma decisão do Tribunal Constitucional para inabilitá-lo como candidato nas eleições de 2025. Os dois também divergem sobre a tentativa de golpe do mês passado.

Lula ainda deve participar na Bolívia de uma reunião com sindicatos de camponeses, entre outros compromissos políticos, e voltará para o país nas próximas horas.

Acompanhe tudo sobre:BolíviaBrasilMilitaresDemocracia

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame