Mundo

Quem é o general Juan José Zúñiga, que liderou tentativa de golpe de Estado na Bolívia

Envolvido em escândalo de corrupção, militar foi demitido na terça-feira após entrevista na qual

General Juan José Zúñiga é apontado como nome por trás de tentativa de golpe, na Bolívia  (Exército da Bolívia/Divulgação)

General Juan José Zúñiga é apontado como nome por trás de tentativa de golpe, na Bolívia (Exército da Bolívia/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 26 de junho de 2024 às 19h08.

Tudo sobreBolívia
Saiba mais

O general do Exército boliviano Juan José Zúñiga é o nome por trás das mobilizações de tropas e tanques que tomaram a frente da sede da presidencial em La Paz, na Praça Murillo. A ação foi denunciada pelo presidente Luis Arce, que classificou as movimentações militares como "irregulares", e o ex-presidente Evo Morales afirmou existir um golpe de estado em curso.

Membro do alto escalão do Exército boliviano, Zúñiga atuava como Comandante Geral desde 2022 até sua demissão nesta semana, segundo o jornal boliviano El Deber. Controvérsias e acusações diversas fazem parte da carreira do militar. Enquanto ocupava o cargo de Chefe do Estado-Maior, por exemplo, ele foi identificado por Evo Morales como um dos nomes envolvidos em um suposto plano para perseguir lideranças políticas.

Nesta segunda-feira, Zúñiga, durante uma entrevista na televisão, disse que Morales não poderia mais ser o presidente do país . O militar declarou que não permitira "que a Constituição fosse pisoteada, que desobedecesse ao mandato do povo".

Evo Morales criticou as declarações feitas pelo militar em uma publicação no X, antigo Twitter. "O tipo de ameaças feitas pelo Comandante Geral do Exército, Juan José Zúñiga, nunca ocorreu em democracia. Se não forem desmentidos pelo Comandante-em-Chefe das Forças Armadas, Ministro da Defesa, Presidente e Capitão General das Forças Armadas, ficará provado que o que estão realmente a organizar é um autogolpe", escreveu Morales nesta terça-feira.

"Sou um militar de honra que está disposto a sacrificar sua vida pela defesa e pela unidade da Pátria. Nossa pátria, mais uma vez, está sob a ameaça de inimigos internos e externos que buscam a divisão, a desestabilização e o ódio entre os bolivianos, para se apoderarem dos recursos naturais em benefício de interesses mesquinhos e de grupos de poder que respondem ao caudilhismo.", disse o militar ao jornal El Deber ao responder as críticas de Evo Morales.

O general também já foi acusado de envolvimento em escândalos de corrupção, como o desvio de até 2,7 milhões de bolivianos destinados a programas sociais. Por conta do caso, Zúñiga foi sancionado com sete dias de prisão.

Em janeiro de 2024, Zúñiga foi descrito como um "especialista em inteligência militar" e um "espião a favor do governo", com conhecimento dos movimentos de políticos bolivianos, pelo jornal boliviano El Deber.

Acompanhe tudo sobre:Bolívia

Mais de Mundo

Diretor do FBI diz que autor do atentado contra Trump operou drone na área do comício

Disneylândia evita greve ao chegar a acordo provisório com sindicatos

Incêndio no Aeroporto JFK deixa ao menos 9 feridos, e quase mil pessoas são evacuadas, em Nova York

22 de julho foi o dia mais quente registrado no mundo, quebrando o recorde do dia anterior

Mais na Exame