Bolívia adia negociação com trabalhadores

O ministro do governo (o equivalente à Casa Civil no Brasil), Carlos Romero, disse que o governo espera o fim das mobilizações para retomar as conversas

Brasília – O governo do presidente da Bolívia, Evo Morales, adiou as negociações com a principal entidade sindical do país, a Central Trabalhadora Boliviana (COB) até que sejam encerradas as paralisações em todo o país. O ministro do governo (o equivalente à Casa Civil no Brasil), Carlos Romero, disse que o governo espera o fim das mobilizações para retomar as conversas.

Segundo Romero, o governo alertou sobre o prejuízo de cerca de US$ 500 mil por dia não trabalhado no Centro de Mineração de Huanuni. Anteriormente, a COB anunciou o fim das paralisações por 48 horas.

O secretário executivo da COB, Juan Carlos Trujillo, informou que vai atender aos apelos do governo. Há duas semanas, a entidade promove paralisações e protestos, prometendo ampliar as mobilizações, inclusive bloqueando estradas. Os trabalhadores reivindicam um plano de carreiras para a categoria dos mineiros, o pagamento integral da aposentadoria e o aumento de até 80% dos salários.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.