Mundo

Ausente da cúpula, Milei é alvo de críticas de presidentes à esquerda e à direita

Lula defende instituições e iniciativas que a Argentina vem buscando enfraquecer, enquanto Arce cita 'declarações infundadas' sobre suposto autogolpe

Javier Milei, presidente da Argentina (Tiziana Fabi/AFP)

Javier Milei, presidente da Argentina (Tiziana Fabi/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 8 de julho de 2024 às 15h15.

Última atualização em 8 de julho de 2024 às 15h28.

Tudo sobreMercosul
Saiba mais

Mesmo ausente da cúpula do Mercosul, em Assunção, o presidente argentino, Javier Milei, esteve presente em quase todos os discursos de líderes do bloco, de todos os espectros políticos.

Desde Lula, que defendeu instituições e iniciativas que a Argentina vem buscando enfraquecer; passando por Luis Lacalle Pou, presidente do Uruguai, de direita, que lembrou que "não só a mensagem importa: o mensageiro é muito importante", até Luis Arce, da Bolívia, que acaba de resistir a uma tentativa fracassada de golpe em seu país e desde então vem trocando farpas com Milei. Nenhum deles, no entanto, citou diretamente o ultraliberal argentino.

Milei desistiu de participar do encontro em Assunção na semana passada e, em seu lugar, enviou a chanceler argentina para representá-lo. Mas, viajou para o Brasil no último fim de semana, para discursar em um fórum conservador em Balneário Camboriú, ao lado do ex-presidente Jair Bolsonaro.

"Não importa somente a mensagem. É muito importante o mensageiro e, obviamente, não menosprezo ninguém. Mas, se o Mercosul é tão importante, aqui deveriam estar todos os presidentes", afirmou o presidente uruguaio, em uma indireta ao ultraliberal argentino. "Eu dou importância ao Mercosul. E se realmente acreditamos nesse bloco, deveríamos estar todos."

Lula, por sua vez, fez críticas a posturas de isolamento dentro do bloco. Em sua fala, defendeu o fortalecimento do Instituto Social e do Instituto de Políticas Públicas e Direitos Humanos, questionou tentativas de “apagar” a palavra gênero de acordos e iniciativas regionais, e de implementar um “pseudo aggiornamento” do Mercosul, entre outros pontos destacados do discurso. Estes e outros trechos do texto lido pelo presidente foram, segundo confirmaram fontes do governo brasileiro, mensagens diretas para a Casa Rosada.

"Não faz sentido recorrer ao nacionalismo arcaico e isolacionista, tão pouco à justificativa para resgatar experiências ultraliberais que apenas agravaram desigualdades na nossa região", declarou no discurso.

Após a fala do brasileiro, o presidente da Bolívia, Luís Arce, agradeceu o apoio recebido pela "maior parte" dos países da região e, também sem citar Milei, criticou falas sobre um "suposto autogolpe". Na semana passada, os dois líderes trocaram farpas após o argentino insistir na acusação de que o governo boliviano fez uma "falsa denúncia" da tentativa de golpe militar fracassada.

A versão circulou depois que o general Juan José Zúñiga, que liderou a tentativa de golpe, afirmou, ao ser preso, ter agido a pedido de Arce para aumentar sua popularidade, algo que foi negado pelo presidente boliviano.

"Lamentamos declarações infundadas e poucos sérias sobre um suposto autogolpe quando lamentavelmente se tratava de um clássico golpe de Estado", disse Arce.

'Falsos democratas'

No discurso, Lula citou "falsos democratas" que "tentam solapar as instituições e colocá-las a serviço de interesses reacionários" e que "não faz sentido recorrer ao nacionalismo arcaico e isolacionista".

"Falsos democratas tentam solapar as instituições e colocá-las a serviço de interesses reacionários. Enquanto nossa região seguir entre as mais desiguais do mundo, a estabilidade política permanecerá ameaçada. Democracia e desenvolvimento andam lado a lado [...] No mundo globalizado não faz sentido recorrer ao nacionalismo arcaico e isolacionista. Tampouco há justificativa para resgatar as experiências ultraliberais que apenas agravaram as desigualdades em nossa região."

"O Mercosul é resiliente e tem sobrevivido aos difíceis anos de desintegração. Pensar igual nunca foi critério para engajamento construtivo nas tarefas do bloco. A diversidade de opiniões, sem extremismos e intolerância, é bem-vinda."

Acompanhe tudo sobre:MercosulJavier MileiBolíviaArgentinaLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Mundo

A menos de uma semana das eleições, crise econômica da Venezuela é vista no interior do país

Israel, Ucrânia e Palestina vão participar das Olimpíadas de Paris?

Trump já doou para a campanha de Kamala Harris quando ela era procuradora-geral da Califórnia

Mais na Exame