Mundo

Uruguai assume presidência do Mercosul com foco em modernizar bloco econômico

O presidente do país, Luis Lacalle Pou, também falou sobre a relação com a China

Luis Lacalle Pou (Alan Santos/PR/Flickr)

Luis Lacalle Pou (Alan Santos/PR/Flickr)

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 8 de julho de 2024 às 13h03.

 Com os olhos voltados novamente para a China e buscando modernizar um bloco que o presidente Luis Lacalle Pou classificou como protecionista em mais de uma ocasião, o Uruguai assume nesta segunda-feira a presidência pro tempore do Mercosul.

Desde que assumiu o governo uruguaio, Lacalle Pou tem insistido que o bloco regional deve se abrir para o mundo.

Faltando pouco mais de um mês para a cúpula do bloco, o ministro das Relações Exteriores uruguaio, Omar Paganini, antecipou as intenções de seu país: "Nossa principal bandeira é a modernização do Mercosul".

Além disso, mencionou a importância de revitalizar o diálogo com a China, algo que enfatizou neste domingo durante seu discurso na 64ª Reunião do Conselho do Mercado Comum.

"No que diz respeito à relação entre Mercosul e China, e depois de seis anos desde a última reunião, o Uruguai buscará durante sua presidência pro tempore realizar a VII Reunião do Mecanismo de Diálogo", declarou Paganini.

O ministro também explicou a maneira como o Uruguai abordará seu trabalho e observou que, como um objetivo realista no nível de integração econômica, o bloco deve ser aperfeiçoado como uma região de livre comércio.

Paganini destacou que uma segunda questão estratégica é melhorar a infraestrutura de logística, transporte e conectividade, bem como aprofundar a agenda externa.

Semetre marcado por desafios

Em entrevista à Agência EFE, Ignacio Bartesaghi, doutor em Relações Internacionais, destacou que a reunião semestral para a entrega da presidência rotativa marcará o início de um semestre no qual o Uruguai buscará flexibilizar o Mercosul.

Nesse sentido, argumentou que o país buscará, por meio de suas propostas, permitir "negociações diferenciadas ou em ritmos diferentes".

No entanto, o também diretor do Instituto de Negócios Internacionais da Universidade Católica do Uruguai afirmou que o país terá de analisar a forma como levanta essa possibilidade, depois que o Brasil anunciou que estaria disposto a avançar com a China, desde que seja em conjunto.

"É um tema incômodo para o Uruguai, porque se o Brasil lhe diz para ir junto, por que você diria não? Mas o problema é se é possível ir junto", questionou Bartesaghi, que acredita que isso também pode ser uma estratégia para adiar as negociações.

Além do que acontece com a China, o especialista disse que o bloco também enfrentará desafios políticos.

"Um Mercosul sem diálogo entre Argentina e Brasil não é um Mercosul (...) Como você vai discutir questões importantes do Mercosul na ausência de diálogo entre os dois? O desafio mais importante para um bloco que já tem muitas dificuldades é ter um diálogo entre Argentina e Brasil", avaliou.

Bartesaghi afirmou que outros desafios incluem a entrada da Bolívia em um bloco marcado pela instabilidade e a possível reentrada da Venezuela.

"Aí temos realmente uma enorme complexidade de questões políticas", concluiu.

 Flexibilização e economia

Em entrevista à EFE, o economista Nicolás Cichevski, gerente do setor de Análise Econômica da CPA Ferrere, afirmou que o Uruguai deve buscar uma alternativa para poder avançar unilateralmente com outros países.

"Deveria ser possível flexibilizar um pouco o acesso a novos acordos necessários para o Uruguai", disse o especialista, que também argumenta que o país sul-americano precisa se abrir para o mundo.

"O Uruguai precisa se abrir para o mundo, porque a escala do mercado uruguaio é muito pequena para a rede de negócios e para os trabalhadores. É muito difícil crescer apenas com o mercado interno. Talvez isso seja algo que Argentina ou Brasil possam fazer, mas o Uruguai, por razões de escala, obviamente não pode", declarou Cichevski.

Finalmente, quando perguntado sobre a situação econômica na região e particularmente no Uruguai no momento, o economista enfatizou que "nos últimos meses, talvez tenhamos visto algumas distorções nas economias da América do Sul, obviamente com muitas heterogeneidades".

Além disso, afirmou que "está claro que a economia uruguaia na região é uma economia muito mais estável e está em uma situação muito diferente de Argentina e Brasil".

Dessa forma, o Uruguai ocupará a presidência pro tempore do Mercosul em um semestre em que o país será marcado por eleições nacionais, que serão realizadas em outubro, e por um eventual segundo turno em novembro, onde os cidadãos elegerão o presidente que substituirá Lacalle Pou em março de 2025.

Acompanhe tudo sobre:Mercosul

Mais de Mundo

Apagão cibernético: Governos descartam suspeitas de ataques hacker e mantêm contatos com Microsoft

Apagão cibernético já gerou cancelamento de quase 1.400 mil voos pelo mundo; veja situação por país

António Guterres se diz "decepcionado" após Parlamento de Israel votar contra Estado palestino

Parlamento de Israel votou contra criação de Estado palestino por considerar 'ameaça existencial'

Mais na Exame