Brasil

Milei diz que Bolsonaro é "perseguido no Brasil" durante evento conservador em SC

Presidente da Argentina foi recebido no país pelo ex-presidente e não se encontrará com Lula durante estadia

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 18h10.

O presidente da Argentina, Javier Milei, afirmou neste domingo, 7, que Jair Bolsonaro (PL) sofre “perseguição”. Em sua primeira vez no Brasil desde que foi eleito, ele participa da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), em Balneário Camboriú (SC) e foi recebido no país pelo ex-presidente. Milei não se encontrará com o presidente Lula (PT).

Milei entrou no palco às 16h55, e foi recebido com aplausos e gritos de "Lula, ladrão, seu lugar é na prisão". Ele agradeceu à recepção de Bolsonaro e disse que se sente "em casa e é sempre bom estar entre amigos", e disse que a Argentina sofreu com o socialismo nos últimos 20 anos.

"E ainda assim, a catástrofe argentina pode ser considerada um caso intermediário, porque por mais que tentaram, nunca conseguiram aplicar o programa socialista de vez porque encontraram um povo que protegem a propriedade privada e resistem a serem dominados", falou. "Olhem o que aconteceu na Venezuela, olha o que aconteceu na Bolívia quando Evo Morales ganhou pela terceira vez, olhem a perseguição que o nosso amigo Bolsonaro sofre aqui no Brasil, e olhem o que está acontecendo na Bolívia, um falso golpe de estado".

Milei chegou ao Brasil por volta das 23h deste sábado, 6, e se hospeda no Hotel Mercure, no centro de Balneário. Ao chegar, foi recebido com abraços por Bolsonaro, pelos governadores de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) e de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL). Na manhã deste domingo, o argentino se reuniu com empresários e com políticos de direita. Ele deixará o país ainda neste domingo.

O presidente do país vizinho era a atração mais aguardada da conferência, inspirada na megaconferência homônima organizada nos EUA desde a década de 1970, e trazida ao Brasil pelo Instituto Conservador-Liberal, think tank de Eduardo Bolsonaro e do empresário Sérgio Sant'Anna. A conferência deste ano foi chamada de “a maior da história” pelos organizadores e, além de Milei, contou com outras presenças internacionais como o chileno José Antonio Kast, o ministro da Justiça de El Salvador, Gustavo Villatoro, e o ministro da Defesa da Argentina Luis Alfonso Petri.

Frase de Bolsonaro

O argentino também repetiu a frase tradicional de Bolsonaro, “Deus, pátria e família”, falou que “Justiça não é que todos sejam iguais, mas que todos possam aproveitar do fruto de seu trabalho” e que o “socialismo do século 21 serve para beneficiar os amigos do poder”

"Quantos casos conhecemos de gente que cresceu do dia para noite somente porque é amigo de alguém no poder? Justiça é poder ter uma vida melhor, justiça é que cada um seja dono de sua vida, que cada um possa ser arquiteto de seu próprio destino. (...) Cada dia fica mais claro que a pobreza é instrumento para quem prega o socialismo. É impossível não reconhecer que hoje a Argentina sopra ventos de mudança. Imaginavam que iriam ter alguém como eu como presidente?", falou.

Ele ainda agradeceu a todos os presentes por “defenderem a liberdade”: "A história do ser humano é a história da liberdade, e não há nada que possa detê-la. Finalmente, para aqueles menos otimistas, que acreditam que a batalha está perdida, quero dizer que nós chegamos onde chegamos sem nenhuma estrutura ou apoio político, com a convicção de que a vida sem liberdade não merece ser vivida. Assim, quero dizer hoje que confiem em vocês mesmos, sejam donos de seus destinos e tenham fé que se fazem com convicção, conseguirão alcançar seus objetivos. E isso começa agora, viva a liberdade!"

Acompanhe tudo sobre:Javier MileiJair Bolsonaro

Mais de Brasil

Farmácia Popular passa a oferecer 95% dos medicamentos gratuitamente

André Mendonça, do STF, dá 30 dias para governo concluir renegociação das multas da Lava-Jato

Força-tarefa extingue 30 pontos de queimada no Pantanal, diz Marina

CCJ do Senado adia votação da PEC do marco temporal de áreas indígenas

Mais na Exame