Mundo
Acompanhe:

Ataque nuclear da Coreia do Norte seria 'o fim' do regime, diz Pentágono

"Qualquer ataque nuclear da Coreia do Norte contra os Estados Unidos, ou seus aliados e parceiros, é inaceitável e levaria ao fim desse regime, afirmou defesa do EUA

Os Estados Unidos disseram considerar suas armas nucleares como destinadas a dissuadir "todas as formas de ataque estratégico" (Tass/Exame)

Os Estados Unidos disseram considerar suas armas nucleares como destinadas a dissuadir "todas as formas de ataque estratégico" (Tass/Exame)

A
AFP

27 de outubro de 2022, 14h45

Um ataque nuclear da Coreia do Norte contra os interesses americanos significaria o "fim" do regime de Kim Jong Un - alertou o Pentágono em sua nova Estratégia Nuclear divulgada nesta quinta-feira (27), junto com a Estratégia de Defesa.

É a primeira vez que ambas são divulgadas juntas.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

"Qualquer ataque nuclear da Coreia do Norte contra os Estados Unidos, ou seus aliados e parceiros, é inaceitável e levaria ao fim desse regime. Não há cenário, em que o regime de Kim possa usar armas nucleares e sobreviver", advertiu o Departamento da Defesa dos EUA no documento.

Os Estados Unidos disseram considerar suas armas nucleares como destinadas a dissuadir "todas as formas de ataque estratégico", incluindo os que envolvem armas convencionais, advertiu o Pentágono.

"Isso inclui o emprego nuclear em qualquer escala e inclui ataques de alto impacto de natureza estratégica, usando meios não nucleares", disse um funcionário da Defesa à imprensa.

Esta nova abordagem pretende "complicar a tomada de decisões" do adversário, no momento em que a Rússia acusa a Ucrânia de se preparar para utilizar uma "bomba suja".

"A Rússia lançou sua agressão contra a Ucrânia sob ameaça nuclear, com declarações irresponsáveis, exercícios nucleares em datas irregulares e mentiras sobre o potencial uso de armas de destruição em massa", especifica o documento.

Já a China se esforça para ampliar, modernizar e diversificar suas forças nucleares, ressalta o Pentágono, afirmando que Pequim "talvez queira possuir pelo menos 1.000 ogivas nucleares até o final da década".

Mas "a Rússia é o principal rival dos Estados Unidos, com as forças nucleares mais diversas", diz o documento.

A Rússia tem 1.550 ogivas nucleares prontas para uso, e 2.000, não mobilizadas.

"Seu moderno arsenal nuclear, que deve crescer, representa uma ameaça existencial no longo prazo para os Estados Unidos e nossos aliados e sócios", acrescentou o Pentágono.

"Na década de 2030, os Estados Unidos se verão, pela primeira vez em sua história, diante de duas grandes potências nucleares (que serão) rivais estratégicas e adversários potenciais", reforçou.

LEIA TAMBÉM: